terça-feira, 16 de outubro de 2018

POLÍCIA FEDERAL INDICIA TEMER E MAIS 10 EM INQUÉRITO SOBRE DECRETO DOS PORTOS

Entre os indiciados, estão o presidente, Michel Temer (na foto) e a sua filha,
Maristela Alan Santos / PR / Divulgação

A Polícia Federal indiciou o presidente da República, Michel Temer, e mais dez pessoas por corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, no inquérito sobre o decreto dos portos.  lém disso, a PF também pediu a prisão do coronel Lima e de mais três pessoas: Carlos Alberto Costa, Maria Rita Fratezi e Almir Martins Ferreira, além do bloqueio de bens de todos os indiciados.

Entre os indiciados, estão a filha do presidente, Maristela Temer, e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures.

 O ministro responsável pelo inquérito no STF, Luís Roberto Barroso, aguardará manifestação do MP para decidir sobre bloqueio de bens e pedidos de prisão, mas proibiu os alvos de pedido de prisão de deixarem o país.

No despacho, o ministro Barroso cita que, de acordo com o Relatório, "foram produzidas, no âmbito do inquérito, provas de naturezas diversas, que incluíram colaborações premiadas, depoimentos, informações bancárias, fiscais, telemáticas e extratos de telefone, laudos periciais, informações e pronunciamentos do Tribunal de Contas da União, bem como foram apurados fatos envolvendo propinas em espécie, propinas dissimuladas em doações eleitorais, pagamentos de despesas pessoais por interpostas pessoas – físicas e jurídicas –, atuação de empresas de fachada e contratos fictícios de prestação de serviços, em meio a outros".

BOLSONARO COMPARA VIOLÊNCIA DO RIO DE JANEIRO COM A DA VENEZUELA

Foto: Metropoles.com

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, visitou nesta segunda-feira o quartel do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio de Janeiro e disse que a violência na cidade só se compara com a de países em decadência como a Venezuela, e foi aplaudido por agentes da corporação após prometer ser um deles no poder, se eleito.

O ex-capitão do Exército, que ainda está sob restrição dos médicos para atos de campanha em consequência de facada sofrida no mês passado em Juiz de Fora (MG), fez um breve discurso a membros do Bope no quartel do batalhão na zona sul do Rio de Janeiro, que teve um vídeo divulgado na conta oficial do candidato no Twitter.

Bolsonaro disse ainda que vai trabalhar para mudar a legislação de forma a garantir que os agentes das forças de segurança tenham “paz para trabalhar” por meio de um excludente de ilicitude. O candidato entrou e saiu do quartel do Bope sem conceder entrevistas aos jornalistas que o aguardavam do lado de fora.

A primeira pesquisa do instituto Datafolha para o segundo turno mostrou o presidenciável do PSL com 58 por cento dos votos válidos, contra 42 por cento de Haddad. A votação decisiva ocorrerá em 28 de outubro.

HADDAD AFIRMA QUE É PRECISO FAZER UM GOVERNO MIAS AMPLO, NÃO DE UM SÓ PARTIDO

Foto: Eshoje

O candidato do PT à presidência, Fernando Haddad, afirmou que a situação do país é tão grave que seu governo terá que ser muito mais amplo que o PT e abranger várias forças democráticas do país. Ele afirmou em entrevista à rádio Capital de São Paulo que neste momento de risco a democracia, não há condições de fazer um governo de um partido, é necessário um governo “ o mais amplo possível para conter as forças do atraso. ”

O petista acrescentou ainda que está aberto a todas as forças políticas que defendem a democracia e que acredita que todos “que têm responsabilidade com o país” não querem o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, seu rival no segundo turno, na Presidência da República.
A campanha de Haddad tem tentado atrair apoios para uma frente contra Bolsonaro e, até agora, conseguiu aglutinar apenas o PSOL e o PSB com apoios firmes e o PDT, que declarou um “apoio crítico” e não tem participado da campanha. Haddad também conseguiu a adesão de um grupo de integrantes do PSDB, da corrente “Esquerda para Valer”, mas até agora não conversou com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, em entrevista no final de semana, disse haver uma “porta” para Haddad.

O petista foi mais uma vez questionado sobre o que a população poderia esperar de diferente de mais um governo petista, e afirmou que existe a necessidade sim de admitir erros, mas não de colocar fora tudo que foi feito de bom.

HORÁRIO DE VERÃO NÃO SERÁ MAIS DEPOIS DO ENEM

Foto: Farol News

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, informou que o presidente Michel Temer decidiu manter o início do horário de verão para o dia 4 de novembro, quando os relógios serão adiantados em uma hora em parte do País. Nenhuma justificativa foi apresentada.

Podemos lembrar que esse assunto vem sendo tratado desde o início do mês, quando o Governo anunciou que adiaria o horário de verão para o dia 18 de novembro a fim de atender a um pedido do Ministério da Educação por causa da realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que acontece nos dois primeiros domingos de novembro - 4 e 11. O MEC argumentou que candidatos podem perder o exame com a alteração do horário no mesmo dia da mudança dos relógios.

Desde então, o Governo passou a ser pressionado a retomar a data original principalmente pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que representa as maiores empresas áreas do Brasil. A entidade argumentou que a mudança poderia afetar cerca de 42 mil voos. Um eventual adiamento para o dia 18 representaria a segunda mudança de data do horário de verão. A primeira por causa do segundo turno das eleições, que acontece no dia 28 desse mês.

AQUI AGORA: AOS 78 ANOS MORRE O JORNALISTA GIL GOMES, EM SÃO PAULO

Foto: Divulgação TV

O jornalista Gil Gomes morreu na manhã desta terça-feira (16/10), em São Paulo, após uma série de complicações de saúde. De acordo com informações do programa Balanço Geral, o comunicador de 78 anos estava internado e perdeu muito a vitalidade e as forças. Ele contava apenas com o apoio da família. Ainda não há informações sobre o velório e o sepultamento dele.

Uma das últimas aparições do profissional foi no programa Domingo Show, da Rede Record. O radialista sofria com o mal de Parkinson. Em uma declaração de 2016, quando voltou ao trabalho depois de 11 anos fora das telinhas, ele chegou a revelar que estava sofrendo. “Passei os últimos anos sentado em uma poltrona, esperando a morte, mas agora voltei e estou feliz”, contou ao programa Sensacional, da RedeTV, naquele ano.

Especialista em jornalismo policial no rádio, Gil Gomes disse em entrevistas que chegou a ser preso mais de 30 vezes durante o regime militar. “Terminava o programa e a viatura da Polícia Federal vinha me buscar”, contou.

RÁDIO E JORNALISMO POLICIAL

Paulistano nascido e criado na Mooca, Gil Gomes nasceu em 13 de junho de 1940. Além de jornalista era radialista e bacharel em Direito. Na juventude, ele sofria de gagueira e, para superar o problema, tentava imitar os locutores esportivos que ouvia pelo rádio. O método funcionou graças à própria força de vontade. Foi então convidado a ser locutor nas quermesses da igreja, quando descobriu que a comunicação era sua vocação. Abandonou assim a ideia de ser médico, como desejava o pai.

Na televisão, ele se destacou e foi bastante reconhecido pelo programa e pelo bordão ‘Aqui Agora’. O jornal diário era bastante popular no formato e na linguagem, onde Gil aparecia ao lado de Sônia Abrão, Celso Russomanno, Jacinto Figueira Júnior (o homem do sapato branco), Wagner Montes, entre outros.

No Aqui Agora, ele dava ênfase a reportagens sobre acidentes graves e crimes, onde teve um papel destacado: foi onde aprimorou o visual, a voz e o gestual que caíram no gosto do grande público e serviram de inspiração para os imitadores dos programas de humor.

Em 2005, o comunicador afastou-se de alguns familiares, dos amigos e da profissão que tanto amava. Os quase 50 anos de carreira foram encerrados pelo mal de Parkinson.

EM EVENTO DO PT, IRMÃO DE CIRO GOMES CRITICA LULA, CHAMA PETISTAS DE ‘BABACAS’ E DIZ QUE PARTIDO VAI PERDER FEIO A ELEIÇÃO


Foto: Divulgação
O irmão do candidato derrotado a presidente Ciro Gomes (PDT) e senador recém-eleito pelo Ceará, Cid Gomes (PDT), discutiu com manifestantes durante ato de lançamento da campanha de Fernando Haddad (PT), em Fortaleza, na noite desta segunda-feira (15). Ele disse que o PT vai "perder feio a eleição", e que isso é merecido pelos erros cometidos pelo partido à frente da Presidência.
"Tem que fazer um mea-culpa, tem pedir desculpa, ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira, é assim", disse, sendo xingado por um dos participantes.
"Pois tu vai perder a eleição, não admite o mea-culpa. Os erros que cometeram é para perder a eleição (...) porque fizeram muita besteira, porque aparelharam as repartições públicas, porque acharam que eram dono de um país, e o Brasil não aceita ter dono, é um país democrático", afirmou, sob vaias do público. 
Antes de se irritar com os militantes presentes ao hotel de luxo, Cid chegou a falar ao público e foi bastante aplaudido ao elogiar Haddad e dizer que vota nele "com muito prazer." O problema do irmão de Ciro Gomes com a plateia começou a ocorrer quando ele cobrou um pedido de desculpas do partido e reconhecimento pelos erros cometidos na Presidência.
Cid Gomes foi convidado para ser o primeiro a falar, mas acabou se irritando e "culpou" o PT pelo sucesso de Jair Bolsonaro (PSL)
"Quem criou Bolsonaro foram essas figuras, que se acham donos da verdade, que acham que podem fazer tudo, que acham que os fins justificam os meios. Muito bem, eu me calo numa boa. Não sei porque me pediram para falar antes", disse,
Após essa fala, a plateia puxou o tradicional grito de olê, olê, ole, olá, Lula, Lula. Nesse momento, Cid voltou a atacar um dos participantes do ato. "O Lula tá preso, babaca. E vai fazer o quê? Babaca, babaca! Isso é o PT, e o PT desse jeito merece perder, só pra rimar. É esse sentimento que vai perder a eleição", concluiu.