segunda-feira, 28 de maio de 2018

BOLSONARO PASSA NUMERICAMENTE ALCKMIN EM SÃO PAULO

Deputado Federal pelo Rio de Janeiro, Jair
 Bolsonaro (PSL), lidera pre campanha à
presidencia em Sâo Paulo / Foto: Marcelo Jorge
O pré-candidato do PSDB à Presidência e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, aparece numericamente atrás do pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, no Estado, mas em empate técnico, apontou pesquisa Ibope encomendada pela TV Bandeirantes e divulgada nesta segunda-feira (28).

De acordo com a pesquisa, no cenário em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece como candidato, Bolsonaro fica numericamente atrás do petista, mas também em empate técnico.

Em todos os três cenários para a Presidência pesquisados, a soma dos que se declararam indecisos e dos que disseram ter intenção de votar branco ou nulo supera o percentual do líder.

No cenário com Lula, o petista lidera com 23 por cento das intenções de voto, seguido por Bolsonaro com 19 por cento, e Alckmin com 13 por cento. Em seguida vêm Marina Silva (Rede) com 9 por cento, Ciro Gomes (PDT) com 3 por cento, e Alvaro Dias (Podemos) com 2 por cento. Neste cenário, quatro candidatos chegam a 1 por cento cada. Outros sete candidatos não chegam a 1 por cento. A soma de brancos, nulos e indecisos é de 26 por cento.

Quando Lula é substituído pelo ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como candidato do PT, Bolsonaro lidera com 19 por cento, seguido por Alckmin com 15 por cento, Marina com 11 por cento, Ciro com 7 por cento, Dias e Haddad com 3 por cento cada, e Henrique Meirelles (MDB) com 2 por cento. Neste caso, nove candidatos chegam a 1 por cento e um não atinge este patamar. Brancos, nulos e indecisos somam 31 por cento.

No cenário em que o ex-governador da Bahia Jaques Wagner aparece como candidato petista, Bolsonaro aparece à frente com 20 por cento, seguido de Alckmin com 15 por cento, Marina com 12 por cento, Ciro com 7 por cento, Dias com 3 por cento e Meirelles com 2 por cento. Nove candidatos chegam a 1 por cento e dois deles, entre eles Wagner, não atingem este patamar. Brancos e nulos somam 31 por cento.

ATIVIDADES ACADÊMICAS E ADMINISTRATIVAS DA UPE VOLTAM AO NORMAL NESTA TERÇA (29)


E esta terça-feira (29) continuará sem expediente de universidades em Pernambuco. Devido à crise causada pela falta de abastecimento, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade Rural Federal de Pernambuco (UFRPE) e o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) não terão expediente.

COM AULA

Já a Universidade de Pernambuco (UPE) informou que as atividades acadêmicas e administrativas dos seus campi do Recife e Região Metropolitana serão retomadas nesta terça. A decisão é válida para os turnos da manhã, tarde e noite. No interior, as atividades serão retomadas a medida em que for restabelecido o abastecimento de combustível.

No fim da tarde, o Governo de Pernambuco informou que haverá aula na rede estadual de ensino. Nas esacolas municipais, o critério também está senod definido pelos governos locais e o critério principal para normaização das aulas é o reabastecimento de combustíveis, o que possibilitará o retorno dos funcionários da educação às escolas, bem como o fornecimento das merendas aos educandos.

AVICULTORES DO AGRESTE FAZEM APELO A CAMINHONEIROS E DIZEM QUE AVES PODEM MORRER POR FALTA DE RAÇÃO

Imagem: Reprodução Youtube/Divulgação
Em meio a uma paralisação que desabasteceu não apenas os postos de combustíveis em todo o país, mas também as prateleiras de supermercados, as despensas das escolas e os estoques de insumos em alguns hospitais, o setor avícola do nordeste vem sentindo a grave crise dentro da sua granja.

De acordo com uma nota da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa boa parte dos exploradores de animais para consumo no Brasil, pelo menos 64 milhões de aves entre galinhas e frangos adultos e pintinhos já morreram. A falta de ração por conta da greve dos caminhoneiros deverá fazer com que milhões de animais morram nas próximas horas e dias. Em risco, segundo a ABPA, estão 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos.

Por conta da mortandade dos animais, um problema ambiental sem precedentes também se desenha no Brasil.

De forma desesperada, avicultores do município pernambucano de São Bento do Una, situada no Agreste do estado, produziram um vídeo que vem sendo publicado nas redes sociais denunciando os impactos da greve dos caminhoneiros sobre sua produção. Na gravação, os produtores fazem um apelo a categoria, que está no oitavo dia de greve, no sentido que que haja uma maior sensibilidade com a causa. Segundo o avicultor Fernando Vilela, que parece falar pelos colegas que também se expõem no vídeo, as aves correm o risco de morrer por falta de ração. Ele complementa a gravação, lembrando que a dependência comercial é mútua pois os profissionais caminhoneiros também dependem dos avicultores, pois no dia a dia estes criadores adquirem a ração de várias partes do país, que chegam ao estado e à região, via terrestre.

Assista o vídeo dos avicultores abaixo, na íntegra: