sábado, 21 de abril de 2018

MORRE ADOLFO LOPES. GARANHUNS DE LUTO.

É com muita tristeza que nós, amigos, e toda a Garanhuns está em luto. Faleceu por volta das 16h de hoje, (21) no Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru onde estava internado o empresário Adolfo Lopes.

Adolfo sofreu um infarto há duas semanas e segundo familiares se recuperava bem, mas nos últimos dias seu quadro foi agravado por problemas renais. Adolfo Lopes era natural de Bom Conselho e tinha 64 anos de idade. Ele deixa esposa, filhos, irmãos e muitos amigo


Adolfo também incursionou na seara política, sendo candidato à prefeito de Garanhuns em 2008 e após uma bem produzida campanha, conseguiu a marca de 6.870 votos. Também colaborou com a atual gestão do prefeito Izaías Régis, ocupando o cargo de Ouvidor Geral do Município de Garanhuns. 

Seu corpo será inicialmente velado na Funeraria Padre Cicero, em Garanhuns e nesse domingo (22) as 10 horas da manhã seguirá pra o município de Brejão, onde será velado também na câmara municipal onde foi vereador. O sepultamento será às 16 horas no cemitério São Luiz, naquele município.

Nós do Blog e Programa ‘Falando com o Agreste’ nos solidarizamos com a família Lopes por esta perda irreparável. Que Deus possa confortar a todos e receber nosso amigo em seus braços. 

PAULO CÂMARA RESISTE À CANDIDATURA DE JOAQUIM BARBOSA À PRESIDÊNCIA PELO PSB

Barbosa se reuniu na quinta (19) com dirigentes do PSB, mas não houve

confirmação sobre o lançamento ao Planalto pelo Partido. As principais 
resistências da sigla a esse projeto são dos Governadores de Pernambuco, 
Paulo Câmara e da Paraíba, Ricardo Coutinho

A força política preservada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Nordeste travou a adesão de dirigentes do PSB a uma candidatura do ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa ao Palácio do Planalto -especialmente em Pernambuco.


Os principais líderes da sigla no estado reforçaram o tom de cautela sobre a aproximação de Barbosa com o partido e apontaram obstáculos para sua entrada na disputa presidencial. "Não há, na verdade, nem pré-candidatura ainda. Vamos precisar discutir. Uma das opções é lançarmos uma candidatura própria, que pode vir a ser a do ministro Joaquim. Mas há muito o que se discutir e avançar", declarou o governador pernambucanoPaulo Câmara (PSB), nesta sexta-feira (20).

Barbosa se reuniu na quinta (19) com dirigentes do PSB, mas não houve confirmação sobre seu lançamento ao Planalto pelo partido. As principais resistências da sigla a esse projeto estão fincadas no Nordeste, sob o comando de Câmara e do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho.

Líderes da sigla na região temem que o lançamento de uma candidatura de Barbosa a presidente provoque um realinhamento partidário e distancie a legenda do campo do ex-presidente Lula. Mesmo preso, o petista atinge 50% dos votos nas pesquisas nos estados nordestinos. "As pesquisas mostram que ele [Lula] é uma pessoa que tem uma liderança muito forte, principalmente na região Nordeste. O conjunto de obras e ações que ele fez como presidente são diferenciais para os avanços que a gente teve nos últimos anos", disse Câmara.

Filho do ex-governador pernambucano Eduardo Campos (PSB) e pré-candidato a deputado federal, João Campos segue a mesma linha. "O povo do Nordeste reconhece o presidente Lula por tudo o que ele fez. É inegável que o presidente Lula foi o presidente que mais fez pelo Nordeste brasileiro", disse, citando obras tocadas pelo petista na região.
Para o herdeiro político de Eduardo Campos, morto em um acidente de avião na campanha de 2014, não há veto à candidatura deBarbosa, mas é preciso verificar se o ex-ministro se enquadra nas diretrizes programáticas do PSB -que desenvolveu uma plataforma de centro-esquerda.

"Para nós, seria muito cômodo colocar alguém que tem boa intenção de voto para disputar a eleição de presidente, mas a ordem não é essa. Primeiro é construir e depois decidir o caminho a ser tomado", afirmou.

DISPUTA LOCAL
A disputa pelo governo de Pernambuco é um fator de influência sobre o comportamento dos dirigentes do PSB local. Paulo Câmaraé pré-candidato à reeleição e busca uma aliança com o PT , esperando ser beneficiado pela imagem positiva de Lula no estado.

Geraldo Julio (PSB), prefeito do Recife e aliado de Câmara, disse que não há interferência da eleição local sobre as discussões em relação à candidatura de Barbosa. "Não há resistências. O que há é um processo iniciando, de pessoas que estão se conhecendo agora. Somente isso", afirmou.

Com informações da FolhaPE

NOVA REARRUMAÇÃO NO PALÁCIO DEVE MUDAR CHEFIA DA CASA CIVIL DE PAULO CÂMARA


Governador Paulo Cãmara deve ter André Campos como seu novo chefe de
Casa Civil. 
Segundo a coluna ‘Folha Política’ assinada pela Jornalista Renata Bezerra de Melo da FolhaPE, até o final do mês, o Governo Paulo Câmara deve anunciar novas mudanças na sua Casa Civil. Mas algumas movimentações do primeiro escalão já foram resolvidas pelo governador socialista. Uma delas é que André Campos assumirá a Secretaria da Casa Civil.

Ainda segundo a jornalista, o martelo já foi batido.

Até pouco tempo, o titular da pasta era Nilton Mota, que se desincompatibilizou, retornando à Assembleia Legislativa. André, por sua vez, deixou o comando da Perpart e saiu de férias essa semana. Passa uma semana fora e retorna, quando o governador deve já ter feitos os convites necessários para tornar público o conjunto das mudanças. Paulo Câmara anda muito satisfeito com o trabalho dos secretários interinos, mas algumas composições devem se concretizar. Não foi feito ainda um convite ao PSC, mas ele tende a acontecer. Entre essas mudanças, José Neto deve mesmo assumir a chefia de gabinete, já que o filho do ex governador Eduardo, o jovem João Campos também deve assumir uma pré candidatura, no seu caso à Câmara Federal.

No Palácio das Princesas, calcula-se que as chances de isso ocorrer são de 90%. O plano só se inviabiliza se surgir nova missão para ele assumir. Já a entrada do PT no governo, que tem sido ventilada nos bastidores, não está em debate. Pelo menos momentaneamente, não existe uma previsão para que os petistas ganhem espaço na gestão socialista.