quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

AGRICULTURA FAMILIAR DE JUCATI GANHARÁ NOVOS SISTEMAS DE REUSO DE ÁGUA

Gestora da AVSI em Pernambuco,Ana Maria Bianchi ao lado do Prefeito Ednaldo Peixoto.

A parceria promete construir sistemas de bioágua e cisternas para 150 famílias, que irão 
contar também com assistência técnica voltada à agroecologia, educação alimentar, 
sanitária e ambiental
E o município de Jucati, localizado a 213,9 quilometros da capital Recife, vem vencendo os seus desafios com criatividade e parcerias bem sucedidas.

Um dessas parcerias do município, governado pelo Prefeito Ednaldo Peixoto (PSB),  foi celebrada com a AVSI Brasil, mediante parceria da Fundação Banco do Brasil (FBB) . A instituição fez o lançamento oficial na última terça-feira (06), na Câmara Municipal de Jucati do Projeto Jucati Sustentável 2 Bioágua, Agroecologia e Nutrição no Agreste de Pernambuco, que prevê a implementação de 30 sistemas de Bioágua Familiar, além de 07 cisternas com assistência técnica voltada à agroecologia, contemplando ainda a promoção da educação alimentar, sanitária e ambiental junto a 400 alunos e 150 famílias.

Participaram da solenidade a gestora da AVSI em Pernambuco, Ana Maria Bianchi, o prefeito Ednaldo, além de representantes das secretarias municipais de agricultura, de meio ambiente, dos conselhos municipais de desenvolvimento rural e sustentável e de diversas associações rurais.

Além dos sistemas de bioágua, as famílias terão, durante todo o projeto (18 meses) assistência técnica voltada ao uso e manutenção do sistema de bioágua e ao plantio agroecológico. Como parte do estímulo ao consumo de alimentos saudáveis e do campo, serão também realizadas campanhas nas 14 escolas do município voltadas à educação alimentar e nutricional, beneficiando 400 alunos e 150 famílias.

O primeiro impacto do projeto é na saúde e na melhoria da qualidade de vida familiar”, explica Bianchi. O bioágua possibilita o saneamento rural, ao direcionar a água ora despejada no solo, para um quintal produtivo. Além disso, a família passa a se alimentar com insumos saudáveis e sem agrotóxico. Fora o impacto na autoestima, principalmente, da mulher agricultora, que passa a ter um trabalho no quintal de casa gerando renda e benefício para seus filhos”, fala a gestora.

Essa é a segunda iniciativa desta natureza no município de Jucati com financiamento da FBB e execução da AVSI Brasil. Um primeiro Projeto (Jucati Sustentável 1) foi realizado de 2016 a 2017, beneficiando 22 famílias com sistemas de bioágua, além de mais de 500 alunos e 150 famílias que participaram de campanhas alimentares e nutricionais.


O projeto significou para mim mudança, não só minha vida mas a vida de toda a família no aspecto financeiro e no aspecto de saúde. Hoje além da gente estar consumindo um produto de qualidade, estamos dando a oportunidade de outras famílias também consumirem, levando o nosso excedente para a feira”, declarou Maria Sandreiva Silva, agricultora e uma das beneficiárias da iniciativa. “Espero nesta segunda etapa que as famílias abracem essa causa, porque ela veio para revolucionar o nosso município, onde tinha uma cultura de embutidos, de enlatados e hoje a gente já vê uma mudança, pequena, mas considerável na vida das outras famílias”, complementou a agricultora.

OPERAÇÃO TORRENTES: POLÍCIA FEDERAL AINDA NÃO LOCALIZOU DINHEIRO SUPOSTAMENTE DESVIADO

Foto: Sérgio Amaral
As peças do Habeas Corpus 431160 do STJ, decidido pela ministra Laurita Vaz, revelam novos detalhes da Operação Torrentes.

A juíza federal, ao decretar a prisão preventiva do empresário Ricardo padilha na ‘Operação Torrentes’, disse que a suposta organização criminosa tinha “influência política”.
A influência política e econômica do grupo se demonstra de forma inconteste e também justifica a necessidade de prisão preventiva como garantia da ordem pública, uma vez que tem extensão desconhecida das autoridades, bastando que criem novas empresas e passem a cometer os mesmos crimes em outros órgãos públicos, com a atuação de outros servidores”, disse a juíza federal, em decisão que consta no processo no STJ.

A juíza, ao decretar a prisão preventiva, afirmou que a suposta organização criminosa vem mantendo contratos com o Poder Público desde 2010.

O risco de reiteração criminosa é evidente nesta hipótese, tendo em vista a expertise e experiência d grupo que, pelo menos desde 2010, formaliza contratos irregulares com o Poder Público, em violação à Lei de Licitações e com ocultação dos verdadeiros administradores e do patrimônio, sendo plenamente possível a criação de novas e desconhecidas empresas para a formalização de novas contratações, sem qualquer possibilidade de controle, previsibilidade ou alcance por parte das autoridades responsável pela investigação”, disse a juíza federal.

O TRF5, ao manter a prisão preventiva, disse que o empresário Ricardo Padilha “vive disso”.  

Operação Torrentes: Justiça Federal diz que investigados têm ‘influência política inconteste’.

Com informações do Blog do Jamildo