quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

PRESIDENTE DA CÂMARA DIZ QUE ‘BOLSA FAMÍLIA ESCRAVIZA AS PESSOAS’

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, diz que Bolsa Família
escraviza as pessoas / Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou, nesta quarta-feira (17), que o programa Bolsa Família, umas das principais medidas dos governos do PT, “escraviza” as pessoas. A declaração foi dada durante uma palestra no Brazil Institute do Wilson Center em Washington, nos Estados Unidos.

Criado no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Bolsa Família é um programa de transferência de renda. Para sua concepção, foram reunidas diversas outras medidas criadas no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O programa estabelece uma série de condições para que as famílias possam receber os recursos.
Para Rodrigo Maia, o Bolsa Família escraviza as pessoas por torná-las dependentes do estado sem que seja criada uma maneira de sair do programa.

Criar um programa para escravizar as pessoas não é um bom programa social. O programa bom é onde você inclui a pessoa e dá condições para que ela volte à sociedade e possa, com suas próprias pernas, conseguir um emprego. A cidadania é um emprego, a cidadania não é depender do Estado brasileiro – destacou.

O presidente da Câmara também fez críticas ao governo do PT e apontou que, a cada ano, o número de pessoas que dependem do Bolsa Família só aumenta.

Se você está apenas dando o Bolsa Família e não gerando obrigação verdadeira para essa pessoa, está transformando a pessoa em dependente. O ideal é que todos os programas sociais tenham as condições para que o programa esteja vinculado a políticas públicas, que deem condições para todos os cidadãos – ressaltou.

Maia ainda apontou outro programa importante nos governos anteriores, o Minha Casa, Minha Vida, que, em sua opinião, foi um programa social “malfeito”.

Não adianta dar sem entender que aquela pessoa que não pagava luz, água, achar que da noite para o dia ela vai ter condições de fazê-lo. É uma transição. Então, não se fez nada. Se deu uma casa, boas festas, se deu uma casa própria, e hoje as pessoas vivem em muita dificuldade – afirmou.

PROMOTOR E ESPOSA SÃO ENCONTRADOS MORTOS EM APARTAMENTO DE LUXO

O caso está sendo inicialmente investigado como
feminicídio seguido de suicídio
O promotor de justiça Marcus Vinícius da Costa e a mulher dele, Luciana Alves, também servidora do Ministério Público do Rio de Janeiro, foram encontrados mortos na manhã desta terça-feira (16) em um apartamento na Barra da Tijuca, área nobre carioca. Os corpos do casal têm marcas de tiro. No local, também havia uma arma.

Não há sinais de arrombamento do imóvel, localizado na rua Coronel Paulo Malta Resende. Segundo a Polícia Militar, a arma foi encontrada perto do corpo de Marcus Vinícius.

A Delegacia de Homicídios da Capital confirmou na tarde de hoje que a pistola automática pertencia ao promotor.
Ao chegar na manhã desta terça para trabalhar, a emprega do casal encontrou os corpos das vítimas caídos na sala.
De acordo com comunicado do MP/RJ, a Polícia Civil diz acreditar que o fato tenha ocorrido na madrugada de segunda (15), mas ainda não há informações sobre as circunstâncias das mortes.

Uma moradora do prédio, que pediu para não ser identificada, conta que foram ouvidos vários disparos no domingo à tarde.
“O dia estava muito tranquilo até que ouvimos muitos disparos. Nem imaginei que fosse dentro de um apartamento, por isso nem ligamos para a polícia. Acredito que tenha sido quatro ou cinco tiros que escutamos.”
O Batalhão de Polícia Militar do Recreio dos Bandeirantes foi o primeiro a chegar ao local. A DH (Divisão de Homicídios) foi acionada e uma perícia foi realizada no local.

Segundo a DH, as características encontradas no local apontam para homicídio, seguido de suicídio, mas o caso ainda está sendo investigado.
“Estavam os dois corpos no chão da sala do apartamento. Tudo indica que foi crime passional seguido de suicídio. Não há nada que indique que o crime tenha ligação com a atividade dele”, disse o promotor Homero das Neves, responsável pelos inquéritos da DH e que esteve no prédio.
Marcus Vinícius da Costa integrava, desde o final do ano passado, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público do Rio. Anteriormente, ele atuava na promotoria de Campo Grande, na zona oeste da cidade.


com UOL, ABR e O Globo