terça-feira, 18 de dezembro de 2018

CASO SERRAMBI ENCERRADO: STJ MANTÉM ABSOLVIÇÃO DE KOMBEIROS, DEFENDIDOS POR ADVOGADO DE LAJEDO

Eduarda e Tarsila foram mortas em 2003 / Foto: Reprodução
Um dos mais controversos casos policiais da história de Pernambuco chega ao fim sem que ninguém seja punido

Em maio de 2003 as adolescentes Maria Eduarda Dourado e Tarsila Gusmão, 16 anos, foram encontradas mortas num canavial em Serrambi, no Litoral Sul do Estado.

O duplo homicídio ficou conhecido como “Caso Serrambi” e teve enorme repercussão na mídia. Quinze anos depois, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão monocrática e colegiada, absolveu os kombeiros Marcelo José de Lira e Walfrido Lira, acusados pelo Ministério Público da autoria do crime.

Marcelo e Valfrido foram levados a júri popular e absolvidos, por 4 votos a 3, em setembro de 2010. A família de Tarsila recorreu alegando suspeição de um dos integrantes do corpo de jurados.

Agora, com a decisão do STJ mantendo a absolvição, o caso está encerrado e os irmãos Lira livres de qualquer acusação. “Meu sentimento é de impunidade. Por mais que tenhamos percorrido todas as instâncias legais, não obtivemos êxito e os culpados agora ficarão impunes”, afirmou o advogado da família de Tarsila, Bruno Lacerda.

A família de Maria Eduarda não conta com representante jurídico


Dr. Jorge Wellington é Advogado criminalista, natural de Lajedo, 
no agreste, atualmente radicado em Garanhuns, é o presidente 
reeleito da subseccional local da OAB e foi o defensor dos 
kombeiros inicialmente acusados pelo crime e agora através de 
decisão do STF, definitivamente inocentados. 


Os kombeiros falaram por intermédio do advogado Jorge Wellington Lima Matos, (foto ao lado) manifestando alívio com a decisão. “Agora não há mais o que discutir, Marcelo e Walfrido são inocentes. Tivemos decisões no Tribunal de Justiça do Estado e no STJ e esse assunto está encerrado”, disse. 

O advogado afirmou também que irá mover uma ação reparatória contra o Estado, cobrando indenização pelos danos à imagem dos kombeiros e pelos períodos em que eles ficaram detidos durante a investigação. “É um direito deles cobrar esta reparação. Eles tiveram suas vidas extremamente afetadas durante todo este tempo”, complementou.

Um comentário:

  1. Parabéns ao Doutor Jorge pelo belíssimo trabalho desenvolvido na defesa dos kombeiros. Isso orgulha a classe de advogados de todo interior do Estado!!

    ResponderExcluir