sexta-feira, 15 de junho de 2018

ARMANDO MONTEIRO AFIRMA QUE ÍNDICE ELEVADO DE REJEIÇÃO A GOVERNO PAULO CÂMARA DEFINIRÁ ELEIÇÃO EM PERNAMBUCO

Para o Senador, que é pré candidato ao Governo de Pernambuco, Paulo Câmara foi
omisso perante o 'Pacto pela vida' o que ocasionou a explosão de violência em PE.
Foto : Marcelo Jorge/ Falando com o Agreste

Pré-candidato ao Governo de Pernambuco pela Frente das Oposições, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) mostrou-se confiante em que a história das eleições neste ano seja diferente da de 2014, quando perdeu a disputa ao Palácio do Campo das Princesas para o então estreante Paulo Câmara (PSB). 
Em visita de três dias ao Sertão, ao lado do pré-candidato ao Senado Mendonça Filho (DEM), iniciada nesta quinta (14) em Petrolina, o petebista apontou um detalhe sobre a disputa estadual ainda pouco comentado.

Numa coletiva de imprensa realizada no Palace Hotel, no início da tarde desta quinta-feira, o senador disse não se preocupar com a tendência de disputa acirrada pelo Palácio do Campo das Princesas, apontada por recentes pesquisas de opinião. O detalhe, segundo Armando Monteiro, é o elevado índice de reprovação do atual governador.

O que me impressiona nessas pesquisas não são os percentuais atribuídos aos candidatos, porque há claramente aí um empate, em qualquer situação. Ou seja, ninguém tem uma margem que assegure vantagem. Mas tem um dado que todas as pesquisas confirmam, e que ao meu ver vai definir a eleição em Pernambuco: a larga desaprovação do governo. É uma avaliação negativa impressionante, que se dá em todas as regiões de Pernambuco quase que de maneira uniforme”, declarou.

Na avaliação do petebista, motivos não faltam para Paulo Câmara ser tão mal avaliado. Ele citou, por exemplo, a questão da escalada da violência no Estado, que beira números alarmantes. Para o pré-candidato das oposições, o Pacto Pela Vida (criado em 2007, na gestão do ex-governador Eduardo Campos) foi naufragando aos poucos pela “omissão, falta de firmeza e de atitude” do atual gestor, que deveria ter ido “para a linha de frente, assumindo todos os riscos”, e mobilizar a sociedade para o enfrentamento da violência – como fez Eduardo.

Armando acredita que faltou também a Paulo Câmara traduzir a preocupação com a segurança pública do Estado no Orçamento, o que não aconteceu. De acordo com o pré-candidato, a atual gestão começou somente a investir na ampliação dos efetivos policiais e instalação de batalhões especializados já próximo do ano eleitoral, para “efeito de marketing”, mas nos orçamentos dos anos anteriores foi investido muito pouco em serviço de inteligência. “Não se faz segurança apenas com policiamento ostensivo, embora seja muito importante. Se faz com inteligência na área investigativa”, avaliou.

O senador lembrou ainda de uma pesquisa divulgada ontem na imprensa do Recife, mostrando que 70% das investigações dos homicídios em Pernambuco não são sequer concluídas, reforçando o sentimento de impunidade no Estado. Sobre esse tema, Armando informou estar conversando com especialistas e ouvindo setores relacionados à segurança. “Vamos oferecer propostas, mas o mais importante será a atitude que iremos assumir, restabelecendo a autoridade do governo, convocando a sociedade e fazendo com que o aparelho de segurança possa estar cada vez mais integrado, com melhor desempenho operacional, e sobretudo sabendo que há uma coordenação que monitora os resultados dessa área”, ponderou.

Com informações do Blog do Carlos Britto

Nenhum comentário:

Postar um comentário