sexta-feira, 6 de abril de 2018

LULA NÃO VAI SE ENTREGAR: FONTE DO PT AFIRMA QUE LULA DECIDE ESPERAR DECISÃO DO STJ SOBRE HABEAS CORPUS

Foto: Instituto Lula

De acordo com a agência Reuters, uma fonte ligada ao PT informou, nesta sexta-feira (06) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que não se apresentará às autoridades, até que o STJ tome uma decisão sobre um pedido de habeas corpus feito por sua defesa, após o juiz Sérgio Moro determinar sua prisão no caso do tríplex no Guarujá.

Lula deve permanecer no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde passou a noite acompanhado por aliados e simpatizantes.

Mais cedo, advogados do ex-presidente apresentaram pedido de habeas corpus junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para evitar que ele seja preso até o final da tarde de hoje, como determinou Moro, informou a defesa do petista por meio da assessoria de imprensa.

O pedido de habeas corpus argumenta que ainda existem recursos a serem apresentados junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e que, por isso, Moro não poderia determinar o início do cumprimento da pena de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso sobre o tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo.

O pedido de habeas corpus deverá ser analisado pelo ministro Félix Fischer, relator dos casos envolvendo a operação Lava Jato no STJ. Fischer é membro da 5ª Turma do STJ, que recentemente negou por unanimidade pedido de habeas corpus preventivo da defesa de Lula.

O petista, que passou a maior parte da quinta-feira reunido com aliados na sede do Instituto Lula na zona sul de São Paulo, foi para o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC após a expedição do mandado de prisão por Moro. Ainda na noite de quinta, um grande ato de apoio ao petista foi realizado em frente ao sindicato, mas Lula não discursou.

A quantidade de pessoas em frente ao sindicato diminuiu durante a madrugada, mas voltou a crescer pela manhã. O petista é acusado de receber o imóvel como propina paga pela empreiteira OAS em troca de contratos na Petrobras.

Ele nega ser dono do tríplex, assim como quaisquer irregularidades. Lula, que é réu em outros seis processos, afirma ser alvo de uma perseguição política promovida por setores do Ministério Público, do Judiciário e da Polícia Federal com o objetivo de impedi-lo de ser candidato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário