quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

RELIGIÃO E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NAS IGREJAS SÃO DISCUTIDOS PELA SECRETARIA DA MULHER

Foto: Secom Garanhuns
Após um levantamento realizado pela Secretaria da Mulher de Garanhuns mostrar que entre os 1.577 atendimentos registrados em 2017, 60% das mulheres se declararam católicas praticantes e 20% evangélicas, a pasta criou a ação: Religião e Violência Doméstica: Revendo Paradigmas, que leva orientação às instituições religiosas que podem atuar como suporte para as vítimas.

Esta ação, levará a discussão dos temas às igrejas do município, sendo elas católicas ou evangélicas. Em seu calendário, a secretaria já realizou debates na paróquia de São Sebastião, e na próxima segunda-feira (26), os pastores presbiterianos vão receber as profissionais da pasta.

A secretária da Mulher, Walkiria Alves, adianta que a igreja pode despertar para o papel social que possui e transformar a realidade. “Diante dos números vemos que esse trabalho tem que ser feito, de não aceitar violência como um fardo que santifica, nem que a torna mais sábia porque ‘a mulher sábia edifica sua casa’”, reflete. Os dados podem ser justificados, segundo Walkiria, porque existe o olhar de que a mulher deve suportar, ser fortaleza e aí ela não denuncia. “Então é isso que a gente precisa transformar, trabalhar isso de forma linear ao longo do ano, não somente ações pontuais. As ações pontuais despertam, mas se não tem uma continuidade”, completa.


Ao final da Quaresma Cristã será realizado um momento de culminância e outro ciclo recomeça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário