terça-feira, 24 de outubro de 2017

POR FALTA DE RECURSOS, SÃO JOÃO CANCELA SHOWS DE EMANCIPAÇÃO

Foto: Redes Sociais
Com as dificuldades vividas pelos municípios e amplamente divulgadas pela imprensa, muitos gestores decidiram cortar gastos previamente anunciados e em muitos casos, contratações de fornecedores de entretenimento também foram canceladas.

Em São João, município que fica a pouco mais de 161 quilômetros da capital Recife, governado pelo Prefeito Genaldi Zumba (PSD), esse fato ficou mais evidente recentemente.  Com as sucessivas quedas ou ausências de repasses de verbas do Estado e da União para os cofres municipais, aliados à baixa arrecadação e altos investimentos realizados durante metade do ano no combate à estiagem no município, a crise financeira se estabeleceu de vez, o que gerou uma Nota Oficial daquele Governo (leia abaixo) na qual detalha os motivos do cancelamento de um show  que havia sido antecipadamente marcado para acontecer na celebração de Emancipação Política de São João, no dia 25 de Novembro próximo.

Prefeito Genaldi Zumba diz não haver condições financeiras
para se realizar evento festivo. Foto: Marcelo Jorge
A questão é que, em virtude das atrações a serem contratadas – Pedrinho Pegação e Léo Magalhães - artistas de grande rotatividade no cenário artístico atual, a municipalidade achou por bem manter um contato antecipado com os seus produtores e empresários, o que aconteceu há cerca de um ano. Na ocasião, quando reservada a data, não se imaginava a gravidade e aprofundamento da crise atual instaurada no país e por conseguinte, em São João.  

O fato é que, mesmo após a informação do cancelamento do evento por parte do poder público municipal aos produtores das supracitadas atrações artísticas, estes últimos permaneceram divulgando em suas agendas nas redes sociais, a realização dos shows, causando no seu público e na população são-joanense, dúvidas sobre a realização ou não da celebração.


A Nota Oficial, reproduzida abaixo na íntegra, não deixa dúvidas: O show está CANCELADO e o Governo de São João deve estudar uma outra forma de marcar a importante data festiva municipal, sem no entanto comprometer pagamento de salários de servidores e débitos com fornecedores, o que certamente é uma postura louvável e correta em tempos de tantos desmandos administrativos país afora.


TADEU: “TEMER PERDEU AUTORIDADE POLÍTICA PARA GOVERNAR O PAÍS”

Foto: Marcelo Jorge/Falando com o Agreste
O deputado federal Tadeu Alencar (PSB) voltou à Brasília nesta segunda-feira (23) para participar da votação que definirá sobre o prosseguimento da denúncia contra o Presidente Michel Temer (PMDB). A decisão acontece na quarta-feira (25), no plenário da Câmara dos Deputados.

Para Tadeu, hoje a maior parte dos deputados federais – inclusive membros da própria base do governo -, reconhece claramente a gravidade das denúncias, mas é provável que isto não garanta a quantidade necessária de votos para que se instaure o processo criminal no Supremo Tribunal Federal (STF), devido à exigência de quórum elevado: 342 votos.

“O Governo perdeu totalmente a respeitabilidade, a credibilidade e a autoridade política para governar o país – Governo esse que em tão pouco tempo já enfrentou duas denúncias graves feitas pela Procuradoria Geral da República e possui uma agenda de reformas polêmicas e controversas”, diz o deputado, que leu detalhadamente a segunda denúncia durante o voo entre o Brasil e a China, onde participou de missão oficial parlamentar durante a última semana.

“É uma orquestração criminosa, ora tratada por Eduardo Cunha, ora tratada por outros personagens muito próximos do Presidente da República, de modo que é muito difícil imaginar que Temer não estivesse também no topo dessa cadeia criminosa que saqueou o Brasil nos últimos anos”, observa o deputado.

Na última semana, a Comissão de Constituição e Justiça aprovou, por 39 votos a favor e 29 contra, o relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PMDB), que isenta Temer. "No plenário, a maioria deve ser favorável a investigação, mas insuficiente para que o processo seja aberto”, lamenta Tadeu.


Crédito da foto: Chico Ferreira/Liderança do PSB na Câmara dos Deputados

LULA AFIRMA QUE DILMA TRAIU SEU ELEITORADO AO PROMOVER AJUSTE FISCAL

Foto - EBC 
Em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a ex-presidente Dilma Rousseff 'traiu' seu eleitorado ao promover ajuste fiscal após vencer as eleições de 2014. Segundo Lula, esse foi um dos erros cometidos pela ex-presidente.
"O segundo erro veio quando a presidente (Dilma) anunciou o ajuste fiscal e traiu o eleitorado que a havia eleito em 2014, o eleitorado que havíamos prometido que manteríamos os gastos. Assim começamos a perder credibilidade", afirmou Lula na entrevista publicada neste domingo (22).
A palavra traição gerou polêmica. O ex-presidente afirmou nesta segunda-feira que não usou essa expressão durante a entrevista. Procurado pela reportagem sobre o teor da entrevista, a assessoria do Instituto Lula negou que o ex-presidente tenha usado a palavra "traiu".
O outro erro de Dilma, o primeiro, segundo o próprio Lula, foi 'exagerar' as políticas de exoneração fiscal para as grandes empresas. "Em 2014, saía mais dinheiro do que entrava", afirmou o ex-presidente. "O ano de 2015 foi muito semelhante ao de 1999, quando Fernando Henrique Cardoso teve uma popularidade de 8% e o Brasil quebrou três vezes. Mas o presidente da Câmara era Michel Temer e ele o ajudou. Nós tivemos o Eduardo Cunha."
Lula disse ainda que não se arrependeu de não ter se candidato à Presidência em 2014 e expressou o desejo de voltar à disputa ao Planalto em 2018 a despeito da condenação, em primeira instância, na Operação Lava Jato. 

Diário do Poder