segunda-feira, 23 de outubro de 2017

QUEDA DE AERONAVE EM DIA DE DEMONSTRAÇÃO DO DIA DIA AVIADOR MATA 5 PESSOAS

Cinco pessoas morreram na queda de um avião monomotor em Itaituba, no sudoeste do Pará, no final da tarde deste domingo, 22. Conforme a Polícia Militar do município, o piloto fazia uma demonstração aérea em homenagem ao Dia do Aviador - comemorado nesta segunda-feira, 23 de outubro. O acidente aconteceu quando ele realizava uma manobra conhecida como 'parafuso', um giro de 360 graus em torno do eixo do avião, informou a PM.

A queda ocorreu por volta das 18h30 em uma área residencial próxima ao aeroporto local, de onde o monomotor havia partido poucos minutos antes com três passageiras, piloto e copiloto. Desgovernado, o avião caiu "de bico" em um terreno de mato e os corpos foram lançados para fora. Ninguém foi atingido no solo.

O piloto, Diego Kroetz, já havia transportado vários passageiros na aeronave durante as demonstrações, na tarde de domingo. As outras vítimas foram identificadas pela Polícia Civil como Weverton Marinho (copiloto), Josenilde Oliveira, Rosalina Santos e Roberlania Marinho.

Cada Minuto

GARANHUNS RECEBE EXPOSIÇÃO CALEIDOSCÓPIO

Foto: Francisco Baccaro
O Sesc Garanhuns está sediando a exposição que reúne três artistas de diferentes gerações, Daniel Santiago, representante da geração 1960, Gil Vicente, os anos 1970 e Marcelo Silveira, década de 1980.

O tema Caleidoscópio foi escolhido, pela potencialidade dele formar imagens virtuais à medida que o objeto é manipulado manualmente, já que o caleidoscópio é um instrumento óptico que serve para criar efeitos visuais simétricos com o auxílio de um conjunto de espelhos e vidros coloridos.

O artista Daniel Santiago produziu uma obra especialmente para a mostra. Ele aproveitou as reuniões semanais com outros artistas para criar o seu próprio caleidoscópio. Já o responsável pelos anos 70, Gil Vicente vai expor a série Espelho Meu, que são desenhos recentes, em grande dimensão, e inéditos. O terceiro artista, Marcelo Silveira propõe um trabalho que aposta na variação das imagens, algo que está no centro do conceito de Caleidoscópio, porém perturbando o espaço físico da mostra. Ele apresenta uma porta giratória, que está ali para ganhar movimento através de uma operação manual, criando imagens e sombras que se modificam.

Sobre os artistas:

Foto: O Globo
Daniel Santiago, natural de Garanhuns, morou, entre os anos de 1962 e 1966, na Bahia onde aprendeu a fazer xilogravuras. Influenciado por  Hansen Bahia e Emanoel Araújo, trabalhou na Mesbla (Salvador), desenhando anúncios para  jornais e televisão. Daniel é ainda professor de artes plásticas formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Pernambuco em 1977. Jornalista formado pela Universidade Católica de Pernambuco em 1980. Fez Curso de Especialização de Desenho (1970), Curso de Pintura (1971 e 1972), Curso de Escultura (1973) e Curso de Teatro (1974) no Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais, na cidade de Ouro Preto. Sua obra demonstra a potência da vida coletiva, a multiplicação de um capital cultural, social e afetivo por meio de parcerias por afinidade com outros artistas e obras.

Foto: Arteducação
Gil Vicente nasceu em 1958, no Recife, onde mora e trabalha. Entre 1972 e 1981 estudou na Escolinha de Arte do Recife e nos cursos livres da UFPE e da Escola de Belas-Artes de Paris. Em 1975 recebeu o 1º Prêmio do Salão dos Novos, no Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, e em 1981 o Prêmio MEC/FUNARTE do Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, no Museu do Estado. Realizou mostras individuais no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, no MAM da Bahia, no MAC de Porto Alegre e no Mamam do Recife (1998-2000). Participou da Bienal do Mercosul em 2001, da Bienal de São Paulo em 2002 e 2010, e do Panorama da Arte Brasileira, no MAM-SP e em Madrid, em 2007.

Foto: Folha PE
Marcelo Silveira nasceu em 1962, em Gravatá, Pernambuco. Vive e trabalha em Recife. Participou da 1ª Bienal Internacional de Artes Plásticas de Buenos Aires, Argentina (2000); da 5ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre, Brasil (2005); da 4ª Bienal de Valência, Espanha (2007); da 29ª Bienal de São Paulo (2010);
O trabalho do artista ocupa um espaço entre: metade dentro e metade fora do museu. A acumulação é uma das suas estratégias favoritas: objetos reminiscentes de aparelhos domésticos esvaziados de qualquer uso funcional, mas que parecem carregar significados; esferas feitas de vários materiais e tamanhos diversos, imóveis, como se esperassem algum evento anunciado; centenas de objetos de vidro (copos, garrafas ou cacos)...

A exposição, que tem como curadora Joana D’arc Lima, ficará no SESC Garanhuns até o dia 15 de dezembro. Nas terças e sextas das 8h às 20h e aos sábados e domingos das 16h às 20h


PESQUISA APONTA QUE 33 % ACREDITAM QUE CLASSE POLÍTICA ACABARÁ COM A LAVA-JATO



A esperança na Lava Jato continua, mas a percepção de que a classe política vai conseguir pôr um ponto final nas investigações cresce a cada dia. É o que mostra a mais recente pesquisa Pulso Brasil, do instituto Ipsos, sobre o futuro da maior operação anticorrupção já deflagrada no País. “A pesquisa mostra que o anseio por justiça continua sendo melhor representado pela Lava Jato, mas, ao mesmo tempo, indica que a população não está indiferente ao poder de reação do mundo político aos seus desdobramentos”, disse o diretor da Ipsos Public Affairs, Danilo Cersosimo.
Entre os entrevistados, 94% disseram que “a Lava Jato deveria continuar com as investigações até o fim, custe o que custar”. Ao mesmo tempo, de julho para setembro, cresceu de 19% para 33% o índice dos que acreditam que “a classe política vai acabar com a Lava Jato”.
Além disso, a pesquisa apontou em setembro que, para 76% dos entrevistados, a operação “vai fortalecer a democracia no Brasil”. Embora a crença no poder transformador da Lava Jato ainda seja significativa, ela já foi maior. Em maio, 86% se diziam confiantes na contribuição da operação para o amadurecimento da democracia no País.
Ainda segundo o levantamento, 71% concordam que a Lava Jato pode transformar o Brasil em um País sério. Mais da metade dos entrevistados (56%) acreditam que a operação está investigando todos os partidos – mas 40% já sentem o cheiro de “pizza” saindo do forno.
Para o cientista político Vitor Oliveira, da consultoria política Pulso Público, o desejo quase que unânime de que a operação “continue até o fim, custe o que custar”, remonta aos primeiros dias do movimento pró-impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff. 
Apesar do “prestígio”, Oliveira se concentrou no dado que aponta a percepção popular de um contra-ataque político em relação aos desdobramentos das investigações. “A ideia de que a Lava Jato não vai atingir os políticos começa a crescer quando a operação esbarra no foro privilegiado, quando esbarra em nosso próprio sistema e na lentidão dos julgamentos.”
“É evidente que a tramitação no Supremo Tribunal Federal é diferente do que acontece em Curitiba, com o juiz Sérgio Moro (que conduz a Lava Jato na primeira instância). Às vezes, isso causa confusão na população, que acaba entendendo que a própria Lava Jato estaria fraquejando na hora de condenar os políticos”, afirmou Oliveira.
Lula
Já para o cientista político e professor do Mackenzie Rodrigo Augusto Prando, a percepção de que o mundo político pode frear a Lava Jato pode ser ilustrada com o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Veja o caso do ex-presidente. Embora condenado em primeira instância, ele continua livre e fazendo campanha pelo Brasil contra a própria Lava Jato. Isso é muito forte. A Lava Jato colocou empreiteiros na cadeia, mas não conseguiu que Lula se tornasse um indivíduo como outro qualquer e fosse preso.”
Prando ainda citou outros fatores para que o receio de que a Lava Jato termine esmagada pela política cresça. “Além do Lula, o excesso de ativismo do Judiciário também trouxe desgastes à operação. Também podemos colocar nesse pacote as ações do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. A forma como a delação dos irmãos Batista da JBS foi tratada serviu para o desprestígio da investigação”, afirmou.
A pesquisa ouviu 1.200 pessoas entre 1º e 12 de setembro. “É provável que as próximas pesquisas ainda mostrem um crescimento desse receio de que a classe política acabe com a Lava Jato. Fatores como a recusa em aceitar a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e a vitória do senador Aécio Neves no Senado podem aumentar a desconfiança da população”, disse Cersosimo. (AE)
Diário do Poder

WHATSAPP DIZ ONDE VOCÊ ESTÁ, SAIBA COMO DESATIVAR FUNCIONALIDADE



Fonte : Notícias ao Minuto
O WhatsApp conta com uma nova funcionalidade que mostra a localização dos seus usuários em tempo real. Diferentemente da opção já existente de enviar a localização, a novidade permite que seja observada a movimentação do usuário. As informações estarão disponíveis em uma mapa por quinze minutos, uma hora ou até oito horas. É importante saber utilizar bem a função para que a sua privacidade seja preservada.

Mesmo se escolheu um prazo longo, a função pode ser desabilitada e apenas quem enviou o compartilhamento pode interrompê-lo. Fazendo isso, os seus contatos deixam de ver por onde você anda.
Confira abaixo um tutorial da funcionalidade elaborado pelo site "TechTudo":
Finalizar o compartilhamento pelo preview do mapa no chat
Na mensagem do compartilhamento, selecione a opção "Parar de compartilhar" (no iPhone) ou "Encerrar" (no Android).
Finalizar o compartilhamento no mapa ao vivo
1. Toque na mensagem para abrir o mapa de localização em tela cheia. Na sequência, toque em "Parar de compartilhar";
2. Toque novamente em "Parar de compartilhar". Assim, o mapa do chat será congelado no local final do compartilhamento e não será mais possível clicar na localização interrompida. Feito isto, o contato deixa de ter acesso ao seu trajeto.

Fonte: Notícias ao Minuto