terça-feira, 12 de setembro de 2017

JOSÉ AUGUSTO E ADILSON RAMOS PODEM SE APRESENTAR EM GARANHUNS NO NATAL 2017 - CONFIRA OS ARTISTAS HABILITADOS

Adilson Ramos pode ser umas das atrações do Natal 2017 - Youtube

A Secretaria de Turismo e Cultura de Garanhuns, divulgou nesta terça-feira (12), a lista com os habilitados na convocatória para seleção de propostas que podem compor a grade de programação do Natal Luz deste ano.
O evento vai acontecer de 10 de novembro a 31 de dezembro. A lista de habilitados não é necessariamente aquela que vai compor a programação oficial, apenas significa que eles estão habilitados de acordo com as exigências da convocatória. 




José Augusto é outro artista que está na lista de habilitados - Foto ; Wikepédia


Os 108 selecionados são artistas e grupos de diversos ritmos que possuem repertório ligado à temática natalina. Os shows ocorrem na Avenida Santo Antônio e em distritos da zona rural.

Entre os relacionados estão os românticos José Augusto e Adilson Ramos.









Confira a lista dos habilitados completa no site da prefeitura : 

http://www.garanhuns.pe.gov.br/relacao-habilitados-natal-2017/




ACUSAÇÃO CONTRA " QUADRILHÃO" DO PMDB DEIXA PLANALTO EM ALERTA


 Michel Temer poderá ser alvo de uma segunda denúncia de Rodrigo Janot (Kenzaburo Fukuhara/Reuters)nar legenda

A conclusão do inquérito da Polícia Federal (PF) que investigou o chamado “quadrilhão” do PMDB na Câmara acendeu o sinal amarelo no Palácio do Planalto. Auxiliares de Michel Temer (PMDB) admitem que o relatório da PF turbinará uma segunda denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente.

Os investigadores concluíram na segunda-feira que integrantes do PMDB participavam de uma organização criminosa. A divulgação do relatório ocorre no momento em que o Planalto avaliava que as prisões do empresário Joesley Batista, dono do Grupo J&F, e do diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, poderiam enfraquecer uma nova acusação contra Temer.
Além disso, o documento cita o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), preso após uma operação da PF que encontrou 51 milhões de reais em um apartamento usado por ele em Salvador. O Planalto teme que Geddel faça uma delação premiada e envolva Temer na prática de crimes.
Em conversas reservadas, aliados do presidente têm receio de que Geddel se transforme em um “novo Antonio Palocci”. Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil nos governos do PT, Palocci acusou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)na semana passada, de fazer um “pacto de sangue” com a Odebrechtpara receber 300 milhões de reais em propinas.
Desde que a PF descobriu as malas de dinheiro atribuídas a Geddel, o governo e a cúpula do PMDB tentam se descolar do ex-ministro.

Na avaliação do núcleo político do governo, Janot não deixará o cargo, no final desta semana, sem apresentar nova denúncia contra Temer. Com esse diagnóstico, ministros já retomaram as conversas para pedir a deputados de seus partidos que não abandonem o presidente se outra acusação contra ele chegar ao plenário da Câmara.

(Com Estadão Conteúdo

PREFEITA DESVIOU DINHEIRO DA SAÚDE PARA PAGAR CRIME DE JORNALISTA, DIZ POLÍCIA

A prefeita uRoseli Ferreira teria financiado o crime do jornalista com dinheiro público - Foto : Crédito Reprodução
Acusada de envolvimento no assassinato de um jornalista, a prefeita de Santa Luzia, em Minas Gerais, Roseli Ferreira Pimentel (PSB), de 44 anos, teria desviado R$ 20 mil dos cofres municipais para financiar o crime. O valor teria sido retirado da Secretaria da Saúde, mas com nota de compras de mamão da Secretaria da Educação. A manobra contábil foi revelada na tarde desta segunda-feira pela polícia civil. Presa na última quinta-feira, a prefeita foi indiciada por homicídio duplamente qualificado, peculato (uso de dinheiro público) e destruição de provas.

O assassinato ocorreu em agosto de 2016 na cidade de 72 mil habitantes na região metropolitana de Belo Horizonte. Dono do jornal local “O Grito”, Maurício Campos Rosa, de 64 anos, foi morto com cinco tiros.
De acordo como delegado César Matoso, responsável pelo inquérito, o crime foi encomendado após a prefeita ter sido chantageada pela vítima. Então aliado de Roseli, o jornalista teria ameaçado divulgar críticas à gestão da prefeita durante a campanha eleitoral, na qual ela disputava a reeleição.
Além da prefeita, foram presos David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza e Gustavo Sérgio Soares Silva. Um quarto envolvido no assassinato, Paulo César Florindo de Almeida, está foragido.
De acordo com a polícia, três dias antes do assassinato, o dono do jornal intensificou a chantagem. Para se livrar das ameaças, Roseli teria contatado Alessandro, que marcou uma reunião com o jornalista. O homicídio teria ocorrido após o encontro.
As investigações apontaram ainda que, para subtrair o dinheiro dos cofres municipais, Roseli teve a ajuda da tesoureira da prefeitura, Mônica Maria Lara Augusto Rocha, também foi indiciada por desvio de verba pública. Segundo a polícia, a trama ainda envolveu Tarick Elias Bruck Campos e o policial militar Leonardo Lúcio Morais, acusados de contribuir com Roseli e Alessandro no desaparecimento dos pertences do jornalista no dia do assassinato. Os quatro responderão pelo crime de destruição de provas.
Crimes eleitorais
Em 2012, foi eleita vice-prefeita na chapa com Carlos Alberto Parrilo Calixto. No início de 2016, com a morte de Calixto em decorrência de um aneurisma, Roseli assumiu o comando da cidade.
Nas eleições de 2016, Roseli foi reeleita com 34% dos votos, mas em abril deste ano foi afastada pelo o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) por abuso de poder econômico e propaganda indevida com excesso de gastos em publicidade institucional. Em junho, a prefeita foi reconduzida ao cargo por meio de uma liminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A prefeita também já havia sido condenada em outra ação por enviar mensagens aos diretores e professores de escolas pedindo que influenciassem pais de alunos na eleição.

Fonte: Extra

SENADO FAZ CONSULTA PÚBLICA SOBRE REVOGAÇÃO DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO


A promulgação do estatuto do desarmamento não surtiu o efeito desejado - Foto : blog Diário do Poder

Mais de 14 mil brasileiros já se manifestaram na consulta pública que está sendo realizada pelo site do Senado sobre o Projeto de Decreto Legislativo 175/17, que propõe a revogação do Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03). Por volta das 19h, 13.627 pessoas tinham votado a favor da proposta e 690, contra.
Apresentado no último dia 5, o projeto está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aguardando a indicação de relator. A consulta no site do Senado deve permanecer aberta enquanto a proposta tramitar na Casa.
O projeto apresentado pelo senador Wilder Morais (PP-GO) propõe a realização de um plebiscito, junto com as eleições gerais do ano que vem, para que a população se manifeste sobre a liberação do porte de armas de fogo para cidadãos residentes em áreas rurais e a revogação do Estatuto do Desarmamento e sua substituição por um instrumento normativo que assegure o porte desse tipo de  arma pessoas que preencham determinadas regras.
O texto prevê a realização de campanha pela Justiça Eleitoral no rádio, na televisão e na internet para esclarecer a população sobre o plebiscito e garantir espaço idêntico para manifestações a favor e contra a revogação do Estatuto do Desarmamento e a liberação do porte de armas.
“Após observar diversos dados do nossa Política Nacional de Segurança Pública, notei que é chegado o momento de fazermos uma reflexão sobre a questão do direito de defesa em nosso país e, para isso, a população deve ser consultada diretamente. Nós iremos solicitar a presença de pessoas da sociedade civil para discutir a questão no Parlamento”, justificou o senador na apresentação do projeto.
Segundo Wilder Morais, mais de dez anos após a promulgação do Estatuto do Desarmamento, não há dados objetivos que indiquem redução dos índices de violência. “Pelo contrário, desde a entrada em vigor daquela Lei, o número total de homicídios no Brasil aumentou 20%, atingindo a preocupante marca de 60 mil assassinatos por ano”, argumentou o autor da proposta.

CRISE NO PMDB PERNAMBUCANO: HENRY DIZ QUE FBC "SÓ CONFIRMA A FAMA DE TRAIDOR."

Fotomontagem sobre imagem Divulgação do PSB/ Dayvison Nunes (JC Imagem) 
*Por Marcelo Jorge

A entrada do Senador Fernando Bezerra Coelho no PMDB, imediatamente após seu desembarque do PSB, ainda suscita muitas polêmicas e já cria uma crise partidária com lideranças locais do partido que acolheu FBC.
E essa crise ficou evidente principalmente após as declarações do Senador Romero Jucá, presidente Nacional do partido abraçado pelo senador pernambucano, de que a legenda deve ter candidato próprio ao governo de Pernambuco e que esse nome seria o do ex socialista.

Para esquentar ainda mais o clima já alterado, a presidência estadual do PMDB entrou em disputa, quando o próprio Fernando Bezerra demonstrou interesse em assumir o comando da sigla no estado.  

Para o vice-governador de Pernambuco e atual presidente da executiva estadual do PMDB, Raul Henry, que fez duras críticas ao processo de ingresso do senador Fernando Bezerra Coelho no partido e à possível perda do comando da legenda para o novo integrante o senador, antes aliado, comete  "violência contra a história da legenda", e complementou revelando que o seu grupo "vai lutar". Além disso, Henry ainda acusou o parlamentar sertanejo de "traidor".

Questionado se a iniciativa seria uma retaliação da executiva nacional à postura do deputado federal Jarbas Vasconcelos em favor da denúncia do presidente Michel Temer (PMDB), Raul Henry disse acreditar as duas coisas parecem não ter relação.

"Agora é uma coisa diferente, uma articulação do senador Fernando, uma coisa absolutamente desleal, traiçoeira, indigna da parte dele, mas não vamos aceitar. Me parece que com essa só confirma a fama de traidor que ele conseguiu cultivar aqui em Pernambuco. Não vamos admitir, nós vamos para a luta e para o enfrentamento", disparou.


Agora, é aguardar como deve ficar a situação do PMDB, de Henry e do Deputado Jarbas Vasconcelos, já que este último em entrevista recente afirmou que acolheria Fernando Bezerra Coelho no PMDB. 

Raul Henry disse que nesta quarta-feira (13) vai ter reunião da executiva nacional e que ele e Kaio Maniçoba, atual secretário estadual de Habitação - e que também faz parte da direção nacional -, estarão e que levantarão o assunto para debate.

*Marcelo Jorge é Consultor Político, radiojornalista âncora do Programa 'Falando com o Agreste', Publicitário e Graduando em Ciência política pela UNINTER