domingo, 3 de setembro de 2017

10 BANDIDOS MORREM EM CONFRONTO COM A POLÍCIA NA NOITE DESTE DOMINGO (03)

Dez criminosos foram mortos em um confronto com policiais civis na região do Morumbi, bairro nobre na Zona Sul de São Paulo, na noite deste domingo (3). Não há relatos de sobreviventes entre os suspeitos. Nenhum policial do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), responsável pela operação, ficou ferido.
De acordo com informações da Polícia Civil, os bandidos integravam uma quadrilha especializada em roubos a residência e vinham sendo monitorados por suspeitas de atuarem na região. Eles já teriam promovido ao menos 20 assaltos do tipo e foram abordados após uma nova tentativa de roubo.

Confronto em rua

O confronto aconteceu na Rua Pirapó, próximo à Praça Alfredo Volpi, por volta das 19h30. Os criminosos usavam dois carros, um Hyundai Santa Fé e um Fiat Toro. Eles tinham acabado de deixar uma casa na Rua Puréus quando foram perseguidos pela polícia.

Na tentativa de fuga, o motorista que dirigia a Santa Fé colidiu com um poste. Já aquele que dirigia o Fiat Toro bateu em um carro descaracterizado da Polícia Civil.
Os assaltantes estavam armados com quatro fuzis e alguns usavam coletes, segundo o relato dos investigadores. Eles tentaram resistir à ação dos policiais.
No confronto, carros das equipes do Garra, grupo de elite da Polícia Civil, foram atingidos por disparos.
O tiroteio com dezenas de disparos assustou moradores do entorno. "Pareciam fogos de artifício. Achei que fosse mesmo. Minha mulher que disse que aquilo não eram fogos, não", diz um administrador de empresa que preferiu não se identificar e que mora há 30 anos na região.

G1

APÓS NOVO ABUSO, JUSTIÇA DECIDE MANTER PRESO O ESTUPRADOR DIEGO NOVAIS


Imagem: Veja SP
Após uma nova audiência de custódia realizada neste domingo (3), a Justiça de São Paulo decidiu manter preso o ajudante geral Diego Ferreira de Novais, 27 anos.

Liberado depois de ter ejaculado sobre uma passageira dentro de um ônibus, ele foi detido ao repetir o ato na manhã de sábado (2). O caso mais recente foi registrado como estupro consumado na delegacia, já que ele teria impedido a moça de sair do local enquanto esfregava o pênis no ombro dela.

Para o juiz Rodrigo Mazola Colombini, Novais cometeu estupro. Conforme recomendação da polícia, o magistrado converteu a prisão em flagrante em preventiva, para que ele fique detido até que a investigação seja concluída. A Polícia Civil pediu ainda que ele seja submetido a exames psiquiátricos, mas esse pedido não foi atendido.

O homem tem mais de 16 passagens por crimes sexuais, o mais antigo deles registrado em 2009.

DOMINGO DE SOL, PRAIA E HOMENAGENS A DOMINGUINHOS EM MACEIÓ

o cortejo percorreu toda a orla da capital alagoana - Foto Marcos Antonio 
A tríade sol, praia e forró deram a tônica desse domingo, 02, em Maceió.  Com homenagens ao mestre Dominguinhos dezenas de sanfoneiros puxaram uma multidão na orla da capital alagoana tocando músicas que consagraram o músico pernambucano. Com uma faixa com o rosto de Dominguinhos e uma frase imortalizada em umas de suas canções,  a trupe liderada pelo presidente da associação dos forrozeiros do estado de Alagoas, José Lessa,  fez a alegria de alagoanos e turistas que se encontravam na orla lagunar num dia de muito sol e praia convidativa.
Presidente dos forrozeiros de Alagoas José Lessa Foto:  Marcos Antônio







Para o presidente da associação dos forrozeiros do estado de Alagoas,  José Lessa,  a sua associação faz esse resgate sempre que pode e isso é importante para manter a tradição principalmente para essas novas gerações que crescem sem saber a importância de artistas como Dominguinhos e Clemilda.



Clemilda que nasceu em São José da Laje, Alagoas,foi outra artista lembrada nas homenagens desse domingo e que também é uma referência no forró nordestino. E, o domingo continua com muito sol,  praia e forró até umas horas da tarde.

Por Marcos António

“A DEFESA DA CHESF É MAIS UM ATO DE RESISTÊNCIA DE PERNAMBUCO”, DECLARA TADEU ALENCAR

Imagem: Assessoria de imprensa/Divulgação
O deputado federal Tadeu Alencar (PSB) lembrou durante pronunciamento no ato de funcionários e da Frente Parlamentar em Defesa da Chesf, realizado no Recife nesta sexta-feira (01), que a bancada federal pernambucana tem se unido contra uma agenda do Governo Federal que prejudica o Estado.

“Há menos de quinze dias, conseguimos impedir uma iniciativa de claro desmonte da Hemobrás. Hoje, estamos aqui para defender este patrimônio de Pernambuco e do Nordeste, que é a Chesf. Porque todas as vezes em que o interesse de Pernambuco é colocado em jogo, os pernambucanos se unem para além dos partidos, das ideologias, dos segmentos sociais”, constatou.

Para Tadeu Alencar, a proposta de privatização da Eletrobrás reforça uma característica muito peculiar do Governo Temer, que é a do rolo compressor.

“Há uma falta de apetite para dialogar com o conjunto da sociedade brasileira sobre temas que lhe tocam diretamente. Vimos isto no debate sobre teto de gastos, sobre terceirização, reformas da previdência e trabalhista, alteração da taxa de juros do BNDES, Hemobras, e agora Eletrobrás e Chesf”, listou.

Ele avisou ainda que o Presidente Michel Temer, quando voltar da China, vai encontrar uma forte resistência ao avanço dessa medida na sociedade e no Congresso Nacional, liderada pela Frente Parlamentar em Defesa da Chesf.

Durante a reunião que teve ao lado dos outros parlamentares com o diretor-presidente da Chesf, Sinval Zaidan Gama, o parlamentar também reforçou que justificativas de má gestão, ineficiência ou baixa produtividade, não podem ter como única resposta a privatização de um bem estratégico para a economia e para a soberania do País.

“Gerenciamento ineficiente se resolve com boas práticas de gestão, boa governança. O ministério disse que fez um diagnóstico profundo para tomar este tipo de decisão, mas a própria direção da Chesf diz desconhecer quais as razões, quais motivações existem concretamente para que coloquemos em risco o sistema elétrico do País e um patrimônio dos brasileiros como o Rio São Francisco”, alertou.



ENTRADA DOS COELHO NO PMDB, JÁ CAUSA REAÇÕES DO PSB PERNAMBUCANO

O Presidente Estadual do PSB, Sileno Guedes, já comenta a decisão do
Senador FBC e dos filhos em se desfilarem da legenda.
Por Aline Moura e Rosália Rangel*

Entre os quadros do PSB, prevaleceu um silêncio desconfortante, ontem, um dia depois de o presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, confirmar que o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), aceitaram o convite para se filiar ao PMDB. Em meio ao receio quase geral dos socialistas de se pronunciar publicamente e dificultar uma reaproximação no futuro, uma declaração surpreendeu: a do presidente estadual da legenda, Sileno Guedes, que vinha se esforçando para não entrar em confronto com a família Coelho, cujo poder cresceu no Sertão do São Francisco e se espalhou no estado. “Quem estiver dentro e fora do PSB e deseja estar na nossa aliança, já sabe que o nosso candidato majoritário é Paulo Câmara. E quem, de fato, tem esse projeto (de ser candidato a governador) não pode ficar no PSB”, disse Sileno.

A reação do presidente estadual veio à noite, quando Fernando Bezerra e o filho passaram o dia sem se pronunciar. FBC, como é chamado, só não teria feito o anúncio público sobre a filiação ao PMDB porque espera as condições necessárias para lançar um nome do seu grupo político como candidato ao Palácio das Princesas. Eles também não podem assinar a ficha do novo partido sob o risco de ficarem sem mandato, por isso esperam uma janela partidária na reforma política. “O PSB sabe que Fernando está incomodado com a questão nacional e sabe que, em relação a Pernambuco, já há uma decisão posição tomada. A vaga majoritária é de Paulo Câmara”, declarou Sileno, acrescentando que não tinha sido procurado por ninguém ligado ao grupo do senador, cuja eventual mudança partidária provocará uma reviravolta no quadro político local.

A declaração de Jucá deixou o PSB sem esperanças de manter Fernando Bezerra Coelho nas hostes partidárias e gerou um conflito interno no PMDB antes mesmo de ele entrar, porque o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) disse ser “zero” a chance de romper com Paulo Câmara, e o mesmo vale para o atual vice-governador, Raul Henry (PMDB), que trabalha para ser candidato a deputado federal em 2018.
O jogo mais duro dos próximos dias, portanto, acontecerá dentro do PMDB. A partir da próxima terça-feira, Romero Jucá deve iniciar uma nova rodada de conversas com Temer, com Jarbas, Fernando Bezerra e o ministro Fernando Filho, não necessariamente com todos ao mesmo tempo. Jucá também ofereceu uma vaga de senador a Jarbas para ele disputar na chapa encabeçada pelo grupo de Fernando Bezerra, mas a proposta não será aceita por questões de lealdade a Paulo Câmara. O quadro, portanto, não parece tão simples para a família Coelho. Se Fernando Filho ou FBC for candidato a governador pelo PMDB, Jarbas não pode ser mais o senador na chapa ao lado de Paulo Câmara, como ele planejava. No máximo, poderá lhe dar apoio numa aliança branca.

A saída do grupo de Fernando Bezerra Coelho do PSB vinha tomando corpo há meses, mas não haverá uma transição fácil. Paulo Câmara não deve contar com o apoio do DEM, do PSDB e do PTB e só terá apenas uma parte do PMDB, que não pode lhe oferecer tempo de guia eleitoral se assim decidir o diretório nacional. Mas Bezerra Coelho e o Filho ainda precisam conquistar o grupo da oposição oficialmente. Armando Monteiro Neto (PTB) ainda tem o sonho de ser candidato ao governo, mesmo tendo pesquisas eleitorais que lhe são desfavoráveis.

No PT, a movimentação de Fernando Bezerra foi minimizada pelo senador Humberto Costa, líder da minoria no Senado. Ele disse que não vê possibilidade de aliança com o grupo ligado ao governo Temer e não vê chance, neste momento, de aliança com o governador Paulo Câmara (PSB), mesmo que Jarbas tenha feito um aceno positivo para uma aliança. “Muita água vai rolar debaixo da ponte”, falou Humberto, ressaltando apenas haver indicativos de que o PT terá candidato ou candidata ao governo, mas sem revelar preferência por qualquer nome.

*Com informações da Coluna do Sérgio Montenegro, com pauta de Aline Moura e Rosália Rangel da Editoria de política do Diáriuo de Pernambuco