domingo, 11 de junho de 2017

RESPONSÁVEIS POR TATUAR "EU SOU LADRÃO", NA TESTA DE UM MENOR SÃO PRESOS POR TORTURA

Os responsáveis por tatuar 'Eu sou ladrão e vacilão' na testa de um menor de idade foram detidos na madrugada deste sábado, 10, em São Bernardo do Campo. O tatuador e seu amigo, que filmou o momento, foram presos por tortura pela Polícia Civil da cidade, que confirmou a informação. O nome dos dois, no entanto, não foi revelado pelas autoridades.

O jovem, acusado pela dupla de roubar uma bicicleta de um homem sem perna, teve sua testa tatuada na manhã da sexta-feira, 9, e o momento foi registrado e postado nas redes sociais. O caso viralizou e, desta forma, chegou até a polícia.

No primeiro vídeo o tatuador obriga o menino a ‘pedir’ uma tatuagem com a palavra ‘ladrão’. O comparsa, que filmava o momento, grita que vai doer. No outro registro, a dupla faz o menino contar que tentou roubar a bicicleta de um ‘homem que trabalha no farol’ e que não tem perna. Aos risos, os homens fazem o menino mostrar sua tatuagem e perguntam se ele gostou.  

BATALHA VENCIDA, QUAL SERÁ A PRÓXIMA MOVIMENTAÇÃO DE TEMER NESTA GUERRA?

*Por Marcelo Jorge

Cada dia mais se acentua entre a população brasileira a sensação de que o país continua dividido, assim como as opiniões dos Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que permitiram com uma vitória apertada por apensa 1 voto de diferença, a permanência do Presidente Michel Temer no cargo. O julgamento inédito de uma chapa presidencial, no entanto, já trazia essas previsões de desfecho por parte de muitos analistas políticos.

Com a declaração do porta-voz do governo, Alexandre Parola, de que Temer recebeu a decisão como “um sinal de que as instituições continuam a garantir o bom funcionamento da democracia brasileira”, ficou evidente a segurança que o presidente tem acerca da sua força política, mesmo com as altas taxas de rejeição popular detectadas em todas as pesquisas de opinião recentes.

A partir de agora, o  foco na agenda econômica é o próximo passo do governo para tentar abafar a crise política, que não termina com esta vitória no TSE. A base aliada do governo, mesmo dividida já começa a sinalizar   que seguirá de forma majoritária, em parceria com o Congresso Nacional, na tentativa da aprovação das reformas propostas pelo governo.

Seguindo essa linha, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, declarou em nota que o seu papel como presidente da Câmara dos Deputados é resguardar a estabilidade política e econômica do país e assegurar o pleno funcionamento da Casa, especialmente garantindo as votações necessárias para a retomada do crescimento sustentável do Brasil. O recado de apoio de Maia, portanto, foi claro.
É certo que o céu ainda não é de Brigadeiro para Temer, no entanto, as articulações políticas com o Congresso poderão o livrar dos próximos processos aos quais enfrentará, principalmente na forte repercussão e gravidade do episódio no qual recebeu em prédio público, em horário inconveniente, um empresário investigado que o gravou em uma conversa nada republicana, crime caracterizado como obstrução da Justiça ou integração de organização criminosa -  qualquer uma das penas varia de três a oito anos de reclusão.
É que, para que se inicie um processo de investigação no STF contra um presidente da república, os parlamentares teriam que avaliar se o caso tem elementos ou não para a formalização da denúncia. Se houver, a ação só será enviada para a análise do Supremo com o voto favorável de no mínimo 342 deputados, portanto, isso resultaria na aprovação por dois terços da Câmara dos Deputados. 

Como sabemos do alto grau de envolvimento de muitos dos parlamentares  delatados nas investigações, seria para o presidente cujo apoio ainda representa  maioria na Câmara, uma possibilidade ainda maior que o desafio vencido essa semana que passou no TSE. 
*Marcelo Jorge é Consultor Político, radiojornalista, Publicitário e Graduando em Ciência Política

DEPUTADO DANILO CABRAL (PSB) TAMBÉM INTEGRA FRENTE PARLAMENTAR “DIRETAS JÁ!”


Na semana que passou, foi lançada no Salão Nobre da Câmara a Frente Parlamentar Suprapartidária por Eleições Diretas Já. A Frente, formada por cinco partidos, incluindo PT,PSB, PSOL, PDT e PCdoB, pretende unir parlamentares de todos os campos políticos. 

De acordo com uma pesquisa do Instituto Paraná,  90,6% dos brasileiros querem uma nova eleição para presidente do Brasil. Segundo o Deputado Federal Danilo Cabral (PSB-PE), o presidente Michel Temer já não tem condições de governar e deve renunciar imediatamente. Para Cabral, é muito importante o PSB estar participando dessa Frente, pois ela reflete o sentimento da sociedade, que deseja ter a oportunidade de escolher o próprio futuro. "Mais de 14 milhões de brasileiros estão desempregados por conta dessa crise econômica e política. Um novo governo se faz necessário para um novo ciclo de crescimento no Brasil."

Danilo Cabral 'Falando com o Agreste' em Brasília. 
Precisamos fazer o reencontro do Brasil com a esperança, com o futuro e com seu povo. Só existe um caminho para isso: Eleições Diretas Já!” emendou o parlamentar pernambucano.

Para o articulador da Frente, senador João Capiberibe (PSB/AP),  “O voto do povo é o único caminho para a reconciliação dos brasileiros e para enfrentar a crise com a democracia”.

O objetivo central da Frente recém criada é somar-se ao protagonismo de artistas, intelectuais e sociedade civil organizada pelas Diretas Já. Além disso, fortalecer a pressão sobre o Congresso para aprovar a Proposta de Emenda 227/16, que visa alterar a Constituição para garantir que eleições diretas sejam convocadas em caso de vacância do cargo de presidente da República até seis meses antes do fim do mandato.


No Senado, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, por unanimidade, no último dia 31 de maio, uma proposta semelhante, que também garante a convocação de eleições diretas em caso de vacância.

Com informações do PSB e Portal 247