sábado, 15 de abril de 2017

02 DE MAIO É DATA LIMITE PARA ELEITOR REGULARIZAR TÍTULO

Termina em menos de um mês o prazo para o eleitor que não votou e não justificou a ausência nas três últimas eleições, ou não pagou as multas correspondentes, regularizar a sua situação perante a Justiça Eleitoral. O prazo vai até 2 de maio. Após essa data, os eleitores nessa condição que não estiverem regulares, correm o risco de ter o título cancelado.
A legislação considera cada turno de votação um pleito em separado para efeito de cancelamento de título. O cancelamento automático do título de eleitor ocorrerá de 17 a 19 de maio de 2017.
O parágrafo 6º do Provimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 1/2017 estabelece que “será cancelada a inscrição do eleitor que se abstiver de votar em três eleições consecutivas, salvo se houver apresentado justificativa para a falta ou efetuado o pagamento de multa, ficando excluídos do cancelamento os eleitores que, por prerrogativa constitucional, não estejam obrigados ao exercício do voto”.
Assim, os eleitores com voto facultativo (analfabetos, eleitores de 16 a 18 anos incompletos e maiores de 70 anos) ou com deficiência previamente informada à Justiça Eleitoral não necessitam comparecer ao cartório para regularizar a sua situação.

O QUE LEVAR

Para fazer a regularização, o eleitor deverá apresentar no cartório eleitoral documento oficial com foto, comprovante de residência e, se possuir, título eleitoral e os comprovantes de votação, de justificativa ou de quitação de multa.

Para saber como está a sua situação perante a Justiça Eleitoral, o eleitor pode fazer a pesquisa na aba Eleitor no link “Consulta por nome”, entre outros tópicos, localizada na barra verde superior do Portal do TSE ou no site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado. Pode ainda ir ao cartório eleitoral e solicitar essa informação.   

CHUVAS AINDA NÃO DEVEM ENCERRAR O RACIONAMENTO DE ÁGUA NO ESTADO

 Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Apesar da alegria que vem sendo causada pelas chuvas que veem caindo em boa parte do estado de Pernambuco, principalmente em áreas críticas do sertão e aqui no agreste, a população não deve se descuidar em relação à economia do precioso líquido. 

É que, de acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento – COMPESA – as chuvas ainda não foram suficientes para acumular água nos mananciais e garantir um abastecimento seguro à população. 
Ainda de acordo com o órgão, muitos sistemas continuam próximos do colapso, caso  de Botafogo, cuja situação é considerada crítica pelo órgão. Em entrevista recente, o Presidente da Compesa revelou que todo o planejamento de abastecimento nas cidades do interior estão sendo feitos sob os eixos da transposição do Rio São Francisco, que tem a pretensão de atender inúmeros municípios, para que Pernambuco não dependa somente dessas chuvas.

A adutora do Agreste, um projeto que deve atender cerca de 78 municípios, está em ritmo acelerado, disse Tavares, mas sua conclusão poderia ter sido antecipada e até concluída se não fosse a falta de repasses por parte do governo federal nas gestões anteriores.


Em Garanhuns, as chuvas vem alegrando a população e em todo o Agreste já se observa uma mudança na coloração da paisagem, além da animação do agricultor que já deve iniciar o plantio das culturas adequadas a cada solo. 
A APAC ainda distribui previsão de chuvas esparsas nos próximos dias em todo o estado.  

REVISTA DIZ QUE PRISÃO DE LULA É UMA QUESTÃO DE TEMPO

Reprodução da capa semanal 
A revista " ISTO É" desta semana traz na capa o ex presidente Lula numa cadeira isolado como se prevendo a sua derrocada final, com o seguinte título : " O FIM DE LULA. Revelações da Odebrecht arrastam Lula para o centro do esquema de corrupção e põe fim ao mito. A condenação em primeira instância, agora, é uma questão de tempo. A pá de cal será o depoimento de Leo Pinheiro, da OAS, ao juiz Sérgio Moro nesta semana. 

Sob os escombros das delações da Odebrecht, o personagem regente de nossas transformações políticas por quase 40 anos submerge ferido de morte. Luiz Inácio Lula da Silva nunca mais será o mesmo. Talvez, um Silva. Ou um Luiz Inácio. Nunca mais um Lula. Aquele Lula, nunca mais. Acabou. É como o Edson sem o Pelé. Para o petista, as delações dos executivos da Odebrecht foram acachapantes. Restaram claro que a autoproclamada “alma mais honesta”, a quem um dia milhares de brasileiros confiaram a missão de mudar radicalmente a maneira de fazer política no País, se beneficiou pessoalmente dos ilícitos – e estendeu as benesses aos seus familiares. Sem sequer corar a face, o petista abandonou ao léu sua principal bandeira, a da ética – se é que um dia foi verdade. 

Fotomontagem da revista ISTOÉ
Os fatos –, e eles são teimosos, deles não há como escapar, – nos conduzem à crença na impostura lulopetista como uma espécie de dogma de ação. Senão vejamos: segundo Marcelo Odebrecht, Lula chegou a registrar um saldo de R$ 40 milhões de reais em sua conta-propina, administrada pelo ex-ministro Antonio Palocci. Desse total, Lula sacou, no mínimo, 30 milhões de reais. Em dinheiro vivo, conforme antecipou ISTOÉ com exclusividade em reportagem de capa de novembro de 2016. Gravíssimo. Como explicar tanto dinheiro na conta ante o povo sofrido do Nordeste? “Nós contra eles”? “Nós” quem, cara pálida? Também teve mesada em espécie para o irmão, o Frei Chico, pixuleco para o sobrinho, Taiguara Rodrigues, e pedido de apoio aos negócios do filho caçula, Luís Cláudio, em troca de azeitar a relação da Odebrecht com o governo de sua pupila, Dilma Rousseff. Sem falar no pagamento de despesas estritamente pessoais, como a reforma do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, a aquisição de imóveis para uso particular e do dinheiro para a instalação do Instituto batizado com o seu nome. Nem mesmo as palestras ministradas pelo petista sobrevivem incólume ao escrutínio da Justiça. Tido como homem de Lula na Odebrecht, Alexandrino Alencar contou aos procuradores que as palestras de US$ 200 mil – padrão Bill Clinton – a Lula foram uma maneira de compensar a ajuda do petista à Odebrecht durante seus dois mandatos. E que ajuda!

(Editoria da Revista IstoÉ)

Em Garanhuns os leitores que quiserem ter acesso a revista só poderão fazer na quarta-feira,19,que é o dia que a revista chega á cidade,ou podem ter acesso ao restante da reportagem através do site da revista no www.istoe.com.br 

.

DELATOR RECLAMA DA ‘INGRATIDÃO’ DA SENADORA KÁTIA ABREU

O ex-diretor superintendente da Odebrecht Ambiental/Saneatins no Tocantins, Mário Amaro da Silveira, reclamou da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que recebeu R$ 500 mil de contribuição para a campanha eleitoral. A peemedebista foi mencionada na lista do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, e citada nos depoimentos dos ex-executivos da empresa.
Na audiência para o Ministério Público Federal, após acordo de delação premiada, Amaro reclamou que, mesmo com as doações eleitorais, Kátia não ajudou a empresa no Estado. “A senadora foi eleita, mas nunca fez nada por nós no Tocantins”, disse aos investigadores.
Amaro declarou que, em setembro de 2014, foi procurado por José Carvalho, que trabalha no escritório da Oderbretch em Brasília, dizendo que Katia iria procurá-lo para pedir doações. Ao saber que poderia ser contatado, procurou Fernando Reis, presidente da Odebrecht Ambiental/Saneatins (Companhia de Água e Saneamento Básico do Estado). Na conversa, Reis autorizou uma doação de R$ 500 mil.

Alguns dias depois, Amaro foi procurado por Moisés Pinto Gomes, marido da senadora, em um hotel em Palmas, capital do Estado. Gomes fez um pedido de contribuição por causa da atuação da senadora a favor da empresa durante um conflito com a prefeitura de Palmas. Segundo Amaro, Tocantins é o único Estado em que a companhia de saneamento é uma empresa privada. Interessados em investir na área, a Odebretch deu início à compra da Saneatins em 2011.

Após ser autorizado a fazer a doação, Amaro marcou uma reunião com Moisés em um hotel em São Paulo. Ao ser informado do valor oferecido, o marido de Katia Abreu reclamou: “É muito pouco”, disse. Além disso, também não gostou do modo que a doação seria feita, através de caixa dois. “Ele ficou desconfortável”, disse Amaro no depoimento.
Segundo Amaro, o pagamento foi feito em duas parcelas de R$ 250 mil, na primeira semana e na segunda de outubro.

Por causa dessas doações, Katia Abreu é acusada de falsidade ideológica eleitoral.

CRISE? SÓ POR EXCESSO DE CHOCOLATE!


Contrariando a tão propalada crise vivenciada pelo país e que atinge diretamente as vendas do comércio em todas as regiões, uma das maiores lojas de varejo do Brasil que conta com  mais de 600 filiais entre elas duas em Garanhuns -PE, amanheceu nesse sábado (15) com clientes ocupando todos os seus espaços e mais especificamente o setor de ovos de chocolate.

Anunciando promoções  nos preços desses tão procurados produtos de época, a loja conseguiu manter grandes filas nos seus caixas o que deve garantir a obtenção das metas de vendas estipuladas por sua matriz.  

O exemplo provavelmente vem sendo seguido nas demais lojas dessa rede e apesar dos maus ventos que vem soprando nos diversos setores da economia nacional, mostra que os consumidores ainda mantém uma “gordura” pra queimar.


Basta serem abordados com o apelo correto. 

O DESAFIO DA PF ‘AGORA’ É PROVA QUE DELATORES DA ODEBRECHT FALAM A VERDADE

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal já têm a primeira etapa de investigação traçada para tentar comprovar os relatos de delatores da Odebrecht de que houve pagamentos de caixa dois e propina em dinheiro vivo a políticos. Os investigadores querem mapear onde, quando e como ocorreram as entregas de dinheiro em espécie informadas pelos executivos. Um dos maiores desafios agora será comprovar os pagamentos realizados em moeda.
A PF vai solicitar, por exemplo, o registro de controle de entrada no dia 28 de maio de 2014 no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência da República, onde vive o hoje presidente Michel Temer. O pedido faz parte de diligências autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, na investigação sobre os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), acusados de receber propina.
Naquele data de maio de 2014, ocorreu jantar em que Temer e Padilha teriam discutido com Marcelo Odebrecht doação ao PMDB em 2014 o valor entregue teria sido de R$ 10 milhões, em espécie.

A polícia, a pedido da Procuradoria-Geral da República, vai atrás de informações sobre possíveis encontros do ex-executivo da Odebrecht Henrique Valladares com Edison Lobão (PMDB-MA), senador e ex-ministro de Minas e Energia, outro apontado como destinatário de propina em dinheiro vivo. A PF vai pedir registros dos acessos ao ministério e ao Senado.
Também receberam recursos desta maneira, por meio de intermediários, segundo os delatores, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB), entre outros.
Ao menos 166 citados nos depoimentos serão intimados a depor a partir da próxima semana. A lista inclui políticos alvo de inquéritos, autoridades não investigadas, além de empresários, operadores, entre outros que vão falar como testemunhas.
O advogado José Yunes, ex-assessor de Temer e personagem do episódio dos R$ 10 milhões da Odebrecht ao PMDB, será chamado a depor. A PF terá de cumprir mais de 240 medidas neste primeiro momento, excluindo as que se referem a dados telefônicos, fiscais e bancários, mantidos sob sigilo.

Os investigadores querem ainda obter informações sobre voos, hospedagens e registros de entradas e saídas em órgãos públicos, como Congresso, Ministério da Integração Nacional e Secretaria de Aviação Civil. Outra medida autorizada por Fachin trata da obtenção de registros de presença do ex-diretor da Odebrecht Sérgio Neves, hoje delator, e de outros funcionários da empreiteira na concessionária Minas Máquinas, em Belo Horizonte, ligada a Oswaldo Borges. Ele é apontado como operador financeiro do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em obras da Cidade Administrativa, que abriga a sede do governo mineiro.
Na lista de políticos investigados no Supremo, há 8 ministros, 3 governadores, 24 senadores e 39 deputados. Do total de pessoas que serão intimadas pela PF, cerca de 100 são políticos.


Ex-funcionários da Odebrecht também serão chamados para novos depoimentos em que detalharão os casos delatados por eles. O patriarca do grupo, Emílio Odebrecht, e seu filho Marcelo estão na lista.

GOVERNADOR: EXISTE ESPERANÇA NO COMBATE À VIOLÊNCIA EM PERNAMBUCO.

O país sofre hoje uma onda de violência indescritível que alimenta os principais telejornais e radiojornais brasileiros, cobre de vermelho os textos impressos nos mais credibilizados tablóides e é fartamente estampado de forma sensacionalista nas redes sociais, mostrando de forma visceral a falta de misericórdia no mais baixo degrau da miséria humana.

Favorecendo o surgimento de mais casos de polícia, de forma inconteste, estão as drogas nas suas mais diversas apresentações. Jovens na mais tenra idade são aliciados a iniciarem suas vidas no mais sombrio universo criado pela raça humana: O convívio com os entorpecentes. Como comercializadores ou como consumidores das mesmas, estando do lado de lá ou de cá do balcão, os destinos são exatamente os mesmos.
Recentemente, em entrevista, o governador de Pernambuco Paulo Câmara atribuiu o acréscimo nos números da violência no Estado ao comercio de drogas e traçou um paralelo entre os altos índices de homicídios e agressões com a utilização de entorpecentes principalmente pela juventude.

Então, porque não achar um caminho com quem já faz um trabalho de recuperação com seres humanos que um dia se enredaram nesse escabroso universo que, posteriormente, os transformaram em tristes estatísticas?

Na contramão dessa realidade estão as FAZENDAS DA ESPERANÇA, que acolhem escravos das drogas e redirecionam os seus caminhos, fazendo-os enxergar além da densa fumaça de um cigarro de maconha ou cachimbo de crack, livrando-os da falsa segurança adquirida no consumo e abuso do álcool ou mesmo, limpando o pó que se acumula em seus corpos, devido ao uso constante da cocaína.

Nas FAZENDAS DA ESPERANÇA, (uma delas funciona aqui em Garanhuns), os acolhidos e acolhidas são responsáveis em cuidar bem do ambiente que vivem, por exemplo: uma horta, a arrumação harmoniosa de uma casa e até o relacionamento com o irmão, são reflexos de um novo estilo de vida. As experiências negativas como lugares sujos e mal cuidados, falta de interação com as pessoas próximas, ficam para trás quando a pessoa encontra Deus e entende a harmonia das obras Divinas em sua vida. Esses são detalhes importantes para a recuperação, porque, viver em um lugar bom e harmonioso colabora no recomeço de vida dos jovens.

Se o governo do Estado, enclausurado na burocracia dos gabinetes analisando suas frias estatísticas, debruçar-se por um momento sobre a luz refulgente de ambientes que de forma harmônica desenvolvem um amplo trabalho de recuperação de viciados, dando-lhes uma nova oportunidade de serem acolhidos em sociedade, talvez a rotina dos nossos presídios possam receber um novo direcionamento e encerremos de uma vez por todas a vergonhosa página das superlotações e rebeliões que entristecem e enlutam parentes de internos, a grande maioria, diga-se, com chances de recuperação. 
Isso sim , seria dar uma luz de esperança à milhares de vidas (e de famílias) no nosso estado.


E quem sabe não daríamos exemplo ao Brasil, Governador ?