quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

ESCRITORES DE GARANHUNS TERÃO APOIO DA SECRETARIA DE TURISMO E CULTURA


Em busca de estreitar o diálogo e conhecer os escritores locais, a Secretaria de Turismo e Cultura de Garanhuns promoveu na noite desta terça-feira (14) uma reunião no anexo localizado na Rua Treze de Maio, no Centro. Durante a conversa, a secretária da pasta, Neile Barros, apresentou alguns esboços de projetos que podem incluir a linguagem artística nos eventos já existentes, além de criar outras intervenções para difundir a produção literária. O próximo encontro acontece em março e dará continuidade aos cadastros e às discussões de propostas iniciados ontem.


A iniciativa surgiu após indicações de que existem cerca de 40 escritores em Garanhuns, até então desconhecidos pela maior parte da população. Diante desse número, a intenção é cadastrar todos para ter condições de massificar as obras deles dentro do município, levar os livros para a comunidade escolar e criar projetos para a consolidação dos autores e da cultura da leitura. 

GOVERNO MUNICIPAL REALIZA GEORREFERENCIAMENTO PARA DIMINUIR IMPACTOS DA CRISE HÍDRICA

Os efeitos de sete anos de estiagem atingiram também o município de Garanhuns. Diante da escassez, a Defesa Civil prorrogou o decreto de emergência e a Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente realizou um georreferenciamento para encontrar novos locais para a captação de água. Somente assim será possível ampliar o número de caminhões que distribuem o líquido. Através do resultado desse mapeamento, já foi solicitado outro caminhão-pipa ao Governo Federal, mas ainda não houve retorno sobre a disponibilidade.


De acordo com dados oficiais, existem cinco veículos para o transporte específico e que atendem residências e escolas da zona rural, além de outro caminhão monitorado pelo Exército Brasileiro. 

PREFEITO E SECRETÁRIO DE CIDADE DO AGRESTE PERNAMBUCANO SÃO INDICIADOS POR FRAUDE EM LICITAÇÕES

A Polícia Federal realizou nesta terça-feira (15) uma entrevista coletiva em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, para divulgar o balanço parcial da primeira fase da Operação 'Cosa Nostra', que tem como alvo a formação de um cartel para fraudar licitações em dez cidades do interior de Pernambuco.

De acordo com a PF, o prefeito de Agrestina, Thiago Nunes (PMDB), um secretário que não teve o nome revelado e mais seis pessoas, foram indiciados por frustração de caráter competitivo de licitação, fraude na contratação, corrupção ativa e passiva e crime de responsabilidade, cujas penas somadas ultrapassam os 30 anos reclusão.

Por meio de nota, Thiago Nunes disse ao G1 que "sempre agiu dentro da estrita legalidade, sem causar prejuízo aos cofres públicos e está colaborando com as investigações. Ninguém foi preso durante a operação e os serviços públicos continuarão seguindo dentro da normalidade".

Segundo a PF, a investigação teve início após a denúncia de um vereador de Agrestina, que não teve o nome divulgado.  Ainda de acordo com a Polícia Federal, após o início do primeiro mandato de Thiago Nunes, em janeiro de 2013, empresas de fachada – em nome de laranjas - começaram a ganhar licitações para a realização de diversas obras e serviços na cidade, como uma UPA e escolas.

O corregedor da Polícia Federal, Alexandre Lucena, disse que uma das empresas conseguiu atingir o valor de R$ 8 milhões em contratos, com apenas três meses de atuação. “O secretário da pasta de Articulação Política criou cinco empresas para concorrer em licitações em dez cidades do Agreste. Além de ser dono de uma delas, ele usou familiares como laranjas em outras empresas, que recebiam um valor fixo por mês para ceder o nome”, disse na entrevista coletiva.

(Com informações do G1 Caruaru)

POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA OPERAÇÃO "COSA NOSTRA" EM CIDADES DO AGRESTE PERNAMBUCANO


A Polícia Federal numa ação conjunta com o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União-CGU, e Tribunal de Contas do Estado-TCE/PE deflagrou na manhã desta quarta-feira (15), dia 15, a Operação “Cosa Nostra”, que tem como objetivo desarticular uma organização criminosa que se instalou em diversos municípios do agreste pernambucano.

As investigações da Polícia Federal se iniciaram em junho de 2016, através de relatórios da CGU, após denúncias de um vereador dos municípios investigados. Diante disso, foram identificados diversas irregularidades envolvendo a contratação de empresas, valendo-se de favorecimento a determinado cartel compostas de sócios-laranjas, que de forma reiterada vinha se sagrando vencedoras em licitações para execução de obra públicas com verbas federais especialmente na área da saúde e da educação e infraestrutura. A organização criminosa contava com a participação de agentes públicos municipais para fraudar processos licitatórios com direcionamento de seus resultados. Os valores de recursos públicos destinados às empresas investigadas de modo a beneficiar políticos, parentes e empresários gira em torno de 100 milhões de reais em empenhos suspeitos, que envolviam 10 prefeituras.

Por volta das 11h, aconteceu uma Coletiva de imprensa, na Delegacia de Polícia Federal em Caruaru, onde maiores detalhes e esclarecimentos sobre a operação foram dados. Às 10h o Superintendente Regional da Polícia Federal em Pernambuco atendeu os veículos de comunicação de Recife na Sede da Polícia Federal que fica localizada no Cais do Apolo.

Por meio de nota, a Polícia Federal informou que não há envolvimento de agentes públicos ligados as Prefeituras de Garanhuns, São João e Caruaru nessa Operação, e sim de cidadãos que residem nestes Municípios.