terça-feira, 21 de novembro de 2017

AFINAL, POR QUE O QUE O MEU PREFEITO VAI TANTO À BRASÍLIA?

*Por Marcelo Jorge, de Brasília/DF

E essa pergunta que muito munícipe hoje faz, tem um sentido: em tempos nos quais os prefeitos reclamam tanto da grave crise, demitem para enxugar folha salarial, contingenciam obras, elevam impostos visando ampliar arrecadação e muitas vezes parecem ter esquecido compromissos assumidos em campanha, colocando em risco sua credibilidade e em muitos casos até uma futura reeleição, a grande maioria utilizou parte desse ano que está indo embora em viagens à Brasilia.

O fato é que quando um oncologista, tomando como exemplo, pensa em aperfeiçoamento profissional e referência em tratamento do câncer no mundo, se remete à Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, um centro  médico, localizado em Houston, no Texas, EUA e considerado a referência mundial no tratamento desse mal, um gestor público bem intencionado – seja prefeito o mesmo governador - sabe que o centro das decisões políticas no Brasil, é a Capital Federal.

Foto: Divulgação
Lá está o Legislativo Federal, através do Senado e da Câmara dos Deputados, produzindo projetos e leis que podem viabilizar (ou não) o andamento das gestões públicas. Lá, os prefeitos buscam através das suas bases, abrir portas para liberação de emendas parlamentares e resolução de demandas de governo. É bom lembrar que cada parlamentar está alí por indicação popular, isto é, pelo voto de cada eleitor brasileiro.
Cabe portanto aos eleitores acompanharem o mandato e cobrarem posições dos seus representantes

Foto: Banco de Imagens do STF
Lá está também o Poder Judiciário, composto pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ), além dos Tribunais Regionais Federais (TRF), Tribunais e Juízes do Trabalho, Tribunais e Juízes Eleitorais, Tribunais e Juízes Militares e os Tribunais e Juízes dos estados e do Distrito Federal e Territórios. À estes, compete das famosas liminares que garantem ao menos momentaneamente alguns recursos impetrados pelos municípios, à análise dos processos e decisões que devem dar  cumprimento às Leis que regem nossa Constituição.

Foto: Reprodução
É também em Brasília onde está o Poder Executivo, encabeçado pela Presidência da República e que tem como atribuição principal, a administração do país, assim como um presidente em uma empresa privada precisa gerir seu negócio da melhor forma possível. 
Vale lembrar ainda que semelhantemente aos parlamenmtares do Congresso, o servidor Número 1 do país também é escolhido diretamente nas urnas pela população brasileira (só para lembrar: atualmente, esse inquilino número 1 do Palácio, foi anteriormente Vice presidente  de uma chapa também escolhida pela população.)  À ele, recorrem parlamentares que representam seus prefeitos, buscando resoluções políticas ou administrativas.

Esplanada dos Ministérios. Foto: Arquivo Agencia Brasila
Paralela a toda esta estrutura, ainda existem os Ministérios de Estado, compostos por políticos nomeados pelo próprio Presidente e que auxiliam no processo de delegação e pulverização das tarefas para profissionais mais específicos de cada área. Subordinados aos Ministérios estão diversas Secretarias e Diretorias que definem entre outras atribuições, o início, a continuidade ou a interrupção de obras, por exemplo.

Além disso, ainda existe uma grande estrutura de apoio às 5.570 gestões municipais  e à disposição dos prefeitos que é a CNM - Confederação nacional dos Municípios - , uma entidade que congrega essa categoria e que disponibiliza ações municipalistas e de orientação aos gestores para um melhor desempenho das suas atividades. Como entidade reinvidicatória, a CNM também vem auxiliando os municípios nas suas demandas, através de mobilizações nacionais à exemplo da já tradicional MARCHA DOS PREFEITOS


Prefeitos pernambucanos em reunião com parlamentares
 na Cãmara Federal. Foto: Marcelo Jorge
Desta forma, os Prefeitos vem até Brasília para tentar solucionar problemas que muito provavelmente não resolveriam se estivessem apenas sentados em seus gabinetes nos palácios municipais. Para nós, que estamos com mais frequência acompanhando essas vindas ao Distrito Federal ao lado de alguns dos prefeitos do Agreste Pernambucano, por exemplo, assistimos em cada viagem uma verdadeira ‘Saga’ em busca de resoluções.

O que talvez falte a alguns gestores municipais e dar maior visibilidade à estas viagens para que o seu munícipe entenda que quando o seu prefeito se desloca dos mais distantes municípios desse país continental, privando-se da companhia da sua da família e dos amigos, do conforto do lar, submetendo às intermináveis horas em aeroportos, muitas vezes pela madrugada, colocando a própria integridade em risco nas estradas e nos céus e ao chegar em Brasília muitas vezes ser atendido com indiferença em alguns ministérios, com o famoso ‘chá de cadeira’ num interminável exercício de paciência não é nenhuma viagem de lazer ou utilização indevida de diárias. Refiro-me claro, aos gestores responsáveis e honestos. Claro que existem os relapsos, desonestos e inconsequentes, comuns em todas as áreas profissionais.

Portanto, querido (e)leitor: Enquanto o cidadão dorme na comodidade da sua casa, sem precisar ir buscar benefícios para seu município, após ter delegado para esta tarefa um representante através do seu voto, esse representante, sendo um bom prefeito, estará em Brasília e em outras viagens institucionais cumprindo exatamente esse papel, por sua gestão e por sua população.  

Marcelo Jorge é Consultor Político, Radiojornalista, Publicitário e Graduando em Ciência Política pela Uninter

2 comentários:

  1. Porque ele busca melhorias para nossa cidade, consequente uma melhor qualidade de vida para a população.

    ResponderExcluir
  2. Meu prefeito Romero Leal Ferreira no caso , busca recursos para que possa realizar melhorias em nossa cidade, e consequentemente oferecer uma melhor qualidade de vida para nossa gente.

    ResponderExcluir