domingo, 27 de agosto de 2017

NO NORDESTE, LULA "ESQUECE" MORO E ELEGE IMPRENSA, ELITES E GOVERNO COMO INIMIGOS

Foto: / AFP / Lúcio Tavora
*Por Carlos Madeiro

O ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem usado a caravana que faz ao Nordeste para deixar claro que já elegeu seus inimigos pós impeachment de Dilma Rousseff. Ele elevou o tom das críticas a três segmentos que, em todos os discursos feitos até agora, tiveram ataques: a imprensa, as elites e o governo de Michel Temer (PMDB)
Outro que já foi alvo de Lula, o juiz federal Sérgio Moro só foi citado uma única vez, em salvador, mas quando Lula disse que “não gostaria de falar dele” porque vai prestar depoimento dia 13 ao magistrado.

No domingo (20), Lula começou o giro por Sergipe com ato público em Estância, após visita à Bahia.
Os jornalistas se tornaram alvo frequente de Lula em seus discursos no Nordeste. O alvo principal continua sendo a Rede Globo, mas  ex presidente tem usado ataques mais genéricos para desqualificar profissionais de imprensa – sem citar nomes.
“Eu respeito muito os jornalistas, mas não respeito nada quando eles são desonestos. É por isso que eles sabem que, se por acaso um dia eu voltar a ser presidente da república, certamente tem algumas coisas que precisam acontecer”, disse Lula, em discurso a trabalhadores rurais em Feira de Santana (BA), no sábado 19.

O distanciamento dele com a imprensa nesta viagem é percebido, por exemplo, pela falta de entrevistas coletivas. Até o momento, Lula só concedeu entrevistas exclusivas ao Jornalista Mario Kertész, da rádio Metrópole e à TVE da Bahia (emissora estatal pertencente ao Estado governado pelo petista Rui Costa). Não há previsão de qualquer fala dele com jornalistas que o seguem durante a viagem. Até a presidente do PT nacional, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), se recusou em dois momentos a conceder entrevistas quando procurada por jornalistas. Outros deputados e senadores petistas e aliados, porém, conversam com a imprensa.

Além disso, não foi montada nenhuma estrutura para receber a imprensa durante eventos no Nordeste, que são obrigados a se virar para cobrir atos em meio ao público. Alguns profissionais de imprensa chegaram a ser hostilizados  por militantes, que insistentemente usam o termo “mídia golpista”. Em Cruz das Almas (BA), Lula usou seu discurso a jovens para atacar as TV’s. “Não é possível que esse povo se informe pela rede Globo, por televisões que só passam filmes estrangeiros. Não colocam filmes brasileiros em horário nobre. Neste país, até debate político acontece à meia noite, quando o povo está dormindo. Parece que eles são só para formadores de opinião”, afirmou.


Carlos Madeiro é Repórter UOL  e correspondeu para o Programa Falando com o Agreste na passagem do ex presidente por Sergipe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário