quarta-feira, 19 de julho de 2017

SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA É DECRETADA EM GARANHUNS PELO GOVERNO MUNICIPAL

Por Aquilles Soares

O Governo Municipal de Garanhuns decretou nesta terça-feira (18), situação de emergência na área urbana e em parte da área rural do município, levando em consideração as altas precipitações pluviométricas que caíram na cidade durante os meses de junho e julho. O decreto nº 039/2017, assinado pelo prefeito Izaías Régis, entra em vigor a partir da data de sua publicação e tem validade de 180 dias, autorizando a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem de acordo com as recomendações da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec).

Entre as consequências dos altos índices registrados, estão a destruição de estradas, pontes, açudes, barragens e aparecimento de erosões em áreas de risco, e que ainda não puderam ser recuperados pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente. Além do desabamento de várias casas na zona urbana, e o comprometimento na estrutura de outras, o que ocasionou na interdição e retiradas das pessoas que residiam nestes locais.

Ainda em virtude dos eventos meteorológicos, professores e alunos encontraram dificuldades de acesso às escolas da área rural, e acabaram tendo seu calendário letivo prejudicado.  A continuidade das chuvas é um dos principais fatores para que haja a permanência do caráter emergencial nas áreas atingidas.


O decreto tem o intuito de promover o bem-estar da população e das atividades socioeconômicos de todas as regiões atingidas por eventos adversos, bem como, providenciar a adoção de medidas necessárias para minimizar a situação. Os órgãos municipais, integrados com a Defesa Civil, estão autorizados a atuar nas ações de resposta e reabilitação do cenário, facilitando também a assistência à população afetada pelas chuvas.

2 comentários:

  1. Bem estar da população ou gastar sem licitação? Tudo rima!

    ResponderExcluir
  2. O intuito é conseguir verbas mais fácil e gastar sem licitação. É a verdade.

    ResponderExcluir