terça-feira, 11 de julho de 2017

COORDENADOR DA DEFESA CIVIL EM GARANHUNS ALERTA QUE IMÓVEIS PODEM CAIR MESMO SEM SINAIS VISÍVEIS COMO RACHADURAS OU AFUNDAMENTOS DE PISO.

Em entrevista exclusiva ao programa ‘Falando com o Agreste’ na edição dessa terça feira (11) pela Rádio Marano FM de Garanhuns, o Coordenador da Defesa Civil em Garanhuns, engenheiro Thiago Amorim  detalhou as ações realizadas durante todo o dia de ontem, segunda feira (10), após o desmoronamento de um dos blocos de um edifício residencial na rua Desembargador João Paes, no bairro Aloísio Pinto, quando morreram soterrados dois moradores e mãe e filha ficaram levemente feridas.

De acordo com o engenheiro, as duas edificações restantes sofreram interdição por parte da Defesa Civil no dia de hoje. Agora, a Polícia Civil de Pernambuco realiza uma perícia nestes blocos na busca de indícios de algum risco para os moradores.

Na sua fala por telefone para a Marano FM, Thiago destacou as ações pontuais do órgão que coordena e detalhou que a Defesa Civil, de acordo com as normativas e leis, trata de desastres naturais e que o desabamento do prédio em questão não se enquadrava como um desastre natural. Ele explicou que em parceria com o Corpo de Bombeiros e voluntários foi feita a coordenação das atividades de remoção de escombros, gerenciamento da crise e tentativa de localização das vítimas, que infelizmente foram encontradas já em óbito.

Engenheiro Thiago Amorim,
Coordenador da Defesa Civil
em Garanhuns
Segundo Amorim, em relação a avaliação de riscos de edificações, a DC também voluntariamente, pode auxiliar a população de forma sugestiva, recomendando alguns procedimentos para melhoria e estabilidade das edificações.

O engenheiro no entanto, deixou claro que não compete a Defesa Civil orientar tecnicamente a construção, o que teria que ser feito por um profissional contratado pelo proprietário da edificação. Ele adiantou que apesar dos sinais visíveis como rachaduras com mais de um ou dois centímetros nas construções, existem estruturas que não apresentam depressão no piso ou mesmo rachaduras e o imóvel pode entrar em colapso, isto é, vir a sofrer um dano como seu desabamento.   

VÍTIMA É SEPULTADA SOB COMOÇÃO POPULAR

O corpo do servidor público municipal Antonio Arcoverde, 32, - foto ao lado - uma das vítimas da tragédia em Garanhuns, foi velado na tarde desta terça no plenário da Câmara Municipal. 
Sob forte comoção, familiares, amigos e colegas de trabalho de Antonio, que era lotado na Procuradoria do Município, lotaram as dependências da Casa Raimundo de Moraes para se despedir e tentar levar um pouco de conforto à viúva, Sra. Genicelia Cardozo, mãe de uma bebê de pouco mais de 20 dias, ambas sobreviventes da mesma tragédia.



Nossa reportagem não obteve informações sobre o velório do Sr. Edvaldo (ou Edval)  Soares, 66,  segunda vítima fatal.
Seu corpo foi encontrado em um nível mais baixo, já que residia no andar térreo. Testemunhas relataram que esse cidadão ajudou a alertar os seus vizinhos para a queda do prédio, evitando uma tragédia ainda maior. Logo após, decidiu voltar ao prédio para, supostamente, pegar alguns pertences.
Por sua atitude de alertar os demais moradores, esse cidadão já vem sendo chamado de 'Anjo' pelos que ouvem essa narrativa corajosa e determinada.     

Nenhum comentário:

Postar um comentário