sábado, 3 de junho de 2017

RÉ NA LAVA JATO, SENADORA GLEISI HOFFMANN É ELEITA PRESIDENTE DO PT

Foto: UOL
A senadora paranaense Gleisi Hoffmann, que responde a processo da Operação Lava Jato, foi eleita neste sábado (3) em Brasília como a nova presidente do PT, com 367 votos. Ela substitui Rui Falcão, que ficou seis anos no cargo, e será a primeira mulher a comandar o partido. Gleisi assume o comando do PT pelos próximos dois anos após um período em que, em pouco mais de três anos, o partido venceu sua quarta eleição presidencial consecutiva, foi alvo de um impeachment que tirou Dilma Rousseff do poder e viu algumas de suas principais lideranças presas ou investigadas na Lava Jato. Em discurso após o anúncio de sua vitória, Gleisi relembrou outros presidentes do PT, entre eles José Dirceu. Quando o nome dele foi mencionado, militantes gritaram "Dirceu, guerreiro do povo brasileiro". "Tenho uma grande responsabilidade por ser a primeira mulher a presidir o PT", afirmou Gleisi.

Em entrevista coletiva após ser eleita, a senadora disse o PT saiu "unificado" do congresso. Segundo a senadora, não há como o fato de ser ré na Lava Jato "atrapalhar mais" o partido. "Como que isso vai atrapalhar mais? O PT foi desconstruído nesse processo. O processo legal não foi respeitado na maioria dos casos. E o partido está aí", disse. "Quem tem ligação com o povo, tem história, não pode ser facilmente desconstruído."  Ao defender sua candidatura, a senadora disse que o partido não vai ficar "enumerando" seus erros para que sejam explorados pela "burguesia". "Nós fazemos o resgate dos nossos erros na prática", afirmou. Ela afirmou que faltou ao PT uma "entrada maior" nos movimentos sociais, principalmente nos da juventude. Mesmo assim, segundo a senadora, "não teve, em 500 anos de história do nosso país, governos melhores que os do PT".

Em entrevista Rui Falcão - que dará lugar a Gleisi na presidência do partido - disse que o PT "está vindo de um processo de recuperação". Desde a queda de Dilma, Gleisi e outros nomes de peso do PT têm sido favoráveis a realização de eleições diretas para presidente. Seja em um pleito antecipado --o que exigiria a aprovação de uma emenda constitucional ou em 2018, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá ser o candidato do partido.


Filiada à legenda desde 1989, Gleisi também foi ministra da Casa Civil entre 2011 e 2014, no governo de Dilma Rousseff. A senadora disputava a presidência do PT com um colega de bancada, Lindbergh Farias (PT-RJ), que teve 226 votos, e com o pernambucano José de Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário