quinta-feira, 14 de abril de 2016

BANQUEIRO DELATOR NA LAVA JATO PEDE PERDÃO À SOCIEDADE BRASILEIRA

Saulin Taufic Schahin , durante depiimento a CPI da Petrobrás em 2015
O empresário Salim Schahin, dono do grupo Schahin e réu em processo da Operação Lava Jato, prestou um depoimento nesta quarta-feira (13) em que se disse "extremamente amargurado" com o caso e pediu "perdão à sociedade brasileira" por ter cometido um crime. Schahin se tornou delator no ano passado e virou peça-chave em um braço da Lava Jato que investiga um empréstimo de R$ 12 milhões do banco Schahin concedido ao pecuarista José Carlos Bumlai em 2004. O dinheiro, diz ele, foi destinado ao PT e, em troca, o grupo Schahin ganhou a operação de um navio-sonda da Petrobras.
Em audiência com o juiz Sergio Moro, Salim Schahin pediu um espaço ao final para um "desabafo". Disse que sua vida empresarial acabou devido à Lava Jato e que está "muito constrangido". Também afirmou que o acordo de colaboração com o Ministério Público Federal o "alivia um pouco". 
"Quero pedir perdão ao meu pai por fazer com que a nossa família sofra o que estamos sofrendo hoje. Nosso nome está sendo enxovalhado pela imprensa."
PERGUNTA SOBRE LULA
No depoimento, Schahin disse que resistiu em conceder o empréstimo porque Bumlai afirmou que o dinheiro seria destinado ao PT.  Como o dinheiro não era devolvido, ele procurava Delúbio Soares, à época tesoureiro do partido. Delúbio, contou o delator, disse que Marcos Valério de Souza, pivô do escândalo do mensalão, ajudaria na quitação.No depoimento, Moro perguntou sobre uma declaração dada anteriormente por Schahin de que o negócio com a Petrobras estava "abençoado" pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O empresário disse que ouviu falar que Lula estava "a par" do acordo.
Em março, o Supremo Tribunal Federal tirou do juiz federal a responsabilidade de investigações envolvendo o ex-presidente Lula devido ao envolvimento de autoridades com foro. Além da ação penal relacionada a Bumlai, o empréstimo do banco Schahin também foi alvo de outra fase da Lava Jato, que investiga o empresário Ronan Maria Pinto, preso na 27a fase da operação.
EX-GERENTE
Outro depoimento do dia, na mesma ação penal, foi do ex-gerente da Petrobras Eduardo Musa, que também firmou acordo de delação. Musa disse que o recebimento de propina era "comum" na estatal e que sabia que outros também recebiam na empresa. O ex-gerente também afirmou que o ex-diretor Nestor Cerveró contou que a contratação da Schahin pela Petrobras era uma "ordem de cima". Questionado, disse que "imagina" que era uma referência à "presidência da Petrobras".