.

.

quinta-feira, 27 de março de 2014

SENADOR ARMANDO MONTEIRO PODE RECEBER MULTA DE PROCURADORIA

A Procuradoria Regional Eleitoral de Pernambuco pediu multa máxima para propaganda considerada irregular do Senador Armando Monteiro. A representação vai ser julgada pelo Tribunal Regional Eleitoral e pode resultar em uma multa de até R$ 75.000 por propaganda eleitoral antecipada. O valor é equivalente ao gasto com campanha em outdoors na Região Metropolitana do Recife e diversas cidades do interior, enaltecendo as características do senador, que é pré-candidato ao governo de Pernambuco. A procuradoria considera que a veiculação dos outdoors com conteúdo de autopromoção de Armando Monteiro, que já aparece em entrevistas, encontros e diversos meios de comunicação como futuro candidato ao palácio das princesas, caracteriza nitidamente propaganda eleitoral, que só é permitida a partir de 6 de julho, conforme a lei 9.504/97. O não cumprimento dessa regra acarreta em retirada imediata da propaganda e multa de R$ 5.000 a R$ 25.000 ou o equivalente ao custo da propaganda, se esse valor for maior. No caso de Armando Monteiro, o gasto foi de R$75.

quarta-feira, 26 de março de 2014

IVO JÚNIOR PODE VIR A SER O CANDIDATO À DEPUTADO ESTADUAL PELO PSB NA REGIÃO



Jovem, sério, advogado, ex Diretor na Associação dos Advogados de Pernambuco e atualmente exercendo o cargo de Conselheiro presidente da Comissão de Sociedade de Advogados na OAB/PE, sócio na Urbano Vitalino Advogados, garanhuense, filiado ao PSB e que traz na sua genética, o DNA de um dos maiores líderes políticos de Garanhuns à sua época.

Esse é o perfil de Ivo Amaral Júnior, ou simplesmente Ivo Júnior, o homem que vem sendo apontado desde as últimas eleições municipais de 2012, como um bom quadro local e que pode vir a ser apoiado pela legenda que representa como também, de acordo com fontes palacianas,  pelo líder maior do Partido e presidenciável Eduardo Campos, como uma das opções para a Assembléia Legislativa do Estado.
Contando com a simpatia do presidente do diretório local do PSB, Dr. Ivan Rodrigues, dentre outras lideranças ps-bistas, Ivo Júnior poderia, a partir de um trabalho de Marketing que o apresente bem e o torne um rosto mais conhecido da população, vir a ser o Deputado Estadual do consenso regional, tudo que o partido mais deseja (e precisa) para a conciliação.

Nomes como o dos vereadores Sivaldo Albino (PPS) e Audálio Ramos Machado Filho (PSDC) também são ventilados por sua juventude, atuação política além de terem boa  aceitação popular, uma das características que vem sendo levantadas pelo governador que prega a ‘nova política’ como discurso do PSB. E cabe eles. Afinal, o projeto da Frente Popular tem que ser amplo, para que a governabilidade de Paulo Câmara, pré candidato ao governo por esta Frente, seja - se eleito - viabilizada.


Para Ivo Tinô do Amaral (pai), ex vereador, ex prefeito e ex deputado por Garanhuns em várias gestões e legislaturas, seria a consagração: No ano em que completou 80 anos e no qual será também o homenageado na próxima edição do Festival de Inverno,  teria enfim o sucessor legítimo que já é um jovem bem sucedido na seara jurídica, a caminho de uma nova conquista desta vez na política, para ocupar quem sabe, uma das cadeiras que já foi do seu pai na ALEPE.

terça-feira, 25 de março de 2014

EDUARDO DIZ QUE CPI DA PETROBRAS PODE SER MAL NECESSÁRIO

O Governador Eduardo Campos participou ontem de um evento no centro de convenções de Olinda, em comemoração ao Dia da Mulher. Em entrevista concedida depois do evento, o Governador se posicionou em relação à crise na Petrobrás e não descartou a possibilidade de uma CPI. Caso o governo não dê detalhes dos contratos feitos pela estatal vai ser pedida a instauração de uma comissão parlamentar de inquérito . Na rede social Twitter, Eduardo Campos já havia se posicionado, desde que um jornal paulista publicou uma matéria que tratava do tema. A publicação cita irregularidades e superfaturamentos na compra de uma refinaria no Texas, Estados Unidos. Esta aquisição teria gerado um prejuízo de mais de um bilhão de dólares aos cofres brasileiros e o governador diz que é preciso esclarecimentos.  
As articulações dos deputados e senadores de oposição para coletar assinaturas da CPI da Petrobrás vão continuar sendo desencorajadas pelos governistas.

A senadora Gleisi Hoffmann, do PT do Paraná, chegou a insinuar que a oposição não está preocupada com os prejuízos apurados, mas com os interesses dos seus acionistas e os ganhos de mercado.

sábado, 22 de março de 2014

EDUARDO SUGERE "MANOBRA"PARA VENDER A PETROBRÁS

Do G1
Ao concluir uma série de críticas à condução da política energética do governo federal durante discurso em um seminário neste sábado (22), em Salvador, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), disse desconfiar de que a crise que envolve a Petrobras seja parte de um "jogo" para "vender" a empresa.



Eduardo Campos, provável candidato do PSB à Presidência da República, afirmou que há "uma série de desacertos na condução desse setor tão estratégico" e disse que a história da Petrobras não pode ser confundida com "a história de episódios que precisam ser esclarecidos".

UM JOGO
"Às vezes eu fico sinceramente desconfiado se isso não faz parte de um jogo para desvalorizar a Petrobras e vender a Petrobras. E nós precisamos fazer o jogo correto, republicano, brasileiro, que é proteger a maior empresa pública do país", declarou para uma plateia de militantes, em discurso de 35 minutos ao lado da ex-senadora Marina Silva e do deputado Roberto Freire (PPS-SP), durante o Seminário Regional Programático de PSB, Rede e PPS, em Salvador.
Campos localizou a "série de desacertos" no período do governo da presidente Dilma Rousseff. Ele disse que, em três anos, a Petrobras passou a valer a metade do que valia em 2010, ano em que o presidente ainda era Luiz Inácio Lula da Silva, e a dever "quatro vezes mais do que devia".

USINAS FECHARAM
Ele também criticou a situação do setor de produção de etanol, que, segundo afirmou, enfrenta atualmente o "mais duro momento" na história.
"A condução que foi feita nela, por ela, na questão da administração do preço dos combustíveis levou o setor do etanol no Brasil a viver seu mais duro momento na história. Só em São Paulo, mais de 40 usinas de produção de álcool fecharam. A gente precisa olhar para tudo isso com muito cuidado", declarou.

quarta-feira, 19 de março de 2014

CONTAS DE DUDU, EX PREFEITO DE CAPOEIRAS SÁO REJEITADAS PELA CÂMARA

DO BLOG CAPOEIRAS - RAIMUNDO LOURENÇO

Na sessão realizada na noite desta terça-feira (18), a câmara de vereadores de Capoeiras votou um Projeto de Resolução rejeitando a Prestação de Contas do ex-prefeito de Capoeiras, Sr. Luiz Claudino de Souza (Dudu) (foto), referente ao exercício de 2010. A Câmara manteve a decisão já tomada em 23/03/2013, quando por recomendação do TCE, o Legislativo Municipal rejeitou as referidas contas. O ex-prefeito Luiz Claudino de Souza recorreu da decisão ao Tribunal de Contas, que enviou um novo Parecer à Câmara de Capoeiras agora recomendando a aprovação das referidas contas de 2010. Os vereadores mantiveram a primeira decisão, e reprovaram a prestação de Contas de 2010, do ex-prefeito Dudu pelo placar de 7 (sete) votos a 4 (quatro).

Votaram pela reprovação das contas de 2010, os vereadores: Ailton Lino, Antonio Crioulo, Geraldo do Alegre, Romero Reino, Afreu Antonio, Estevão Valença e Antonio Alberto. Aprovando as contas votaram os vereadores: Érico Barbosa, Carla Rodrigues, Junior Rodrigues e José Nielson.

O vereador Carlos Junior e a vereadora Carla Rodrigues justificaram seus votos a favor da aprovação da prestação de contas afirmando que mantinham o voto dado na primeira votação porque nos seus entendimentos não é justo o ex-prefeito Dudu ter suas contas reprovadas só porque excedeu um pouco o limite de gastos com pessoal. Para eles o ex-prefeito só ajudou dando emprego ao povo.

Segundo alguns vereadores que votaram pela reprovação da referida Prestação de Contas, o TCE mudou apenas de opinião no seu “Parecer Prévio”, recomendando sua aprovação; sem que nada de novo fosse acrescentado ao Processo.

quarta-feira, 12 de março de 2014

GENALDI ZUMBA VOLTARÁ A GOVERNAR SÃO JOÃO, DIZ O TSE

O prefeito cassado da cidade de São João, Genaldi Zumba está de volta a prefeitura por decisão do TSE em Brasilia. A decisão em forma de liminar foi concedida pelo Ministro Dias Tofoli: leia abaixo a decisão:
DECISÃO:
Cuida-se de ação cautelar, com pedido de liminar (fls. 2-20), ajuizada por José Genaldi Ferreira Zumba e José Florêncio Costa Filho, eleitos prefeito e vice-prefeito, respectivamente, do Município de São João/PE nas eleições de 2012, visando à concessão de efeito suspensivo ao agravo manejado contra decisão que inadmitiu recurso especial interposto contra acórdão do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE/PE) que, reformando sentença, julgou procedente representação proposta com base no art. 30-A da Lei nº 9.504/97, cassando os diplomas dos requerentes, em razão de gastos ilícitos de campanha.
Noticiam que a ação foi julgada improcedente pelo juízo de primeiro grau e, em julgamento não unânime (por quatro votos a três), a Corte Regional reformou a sentença para cassar os diplomas dos ora requerentes, em virtude de supostos gastos ilícitos de campanha.
Sustentam, em síntese, que:
a) foram violados pelo TRE/PE os arts. 275 do Código Eleitoral, 27 e 30-A da Lei nº 9.504/97, e 5º , LIV, da Constituição Federal;
b) houve omissão do Tribunal Regional na análise das questões suscitadas em sede de embargos, especialmente sobre: i) a indicação das provas que fundamentaram a condenação; ii) a análise dos extratos bancários que comprovam que os recursos transitaram pela conta bancária que, apesar de ter sido aberta em nome do partido, consistia na conta exclusiva do candidato; iii) a aplicabilidade do art. 27 da Lei nº 9.504/97; e iv) o exame da gravidade da conduta;
c) não foram indicadas pelo Tribunal Regional as provas que respaldaram a conclusão de que houve gastos de campanha não contabilizados, o que acarretou prejuízo para a defesa;
d) não foram apreciados pelo aresto regional os documentos que comprovam que os recursos relativos aos gastos da campanha dos requerentes transitaram pela conta bancária do partido;
e) as despesas consideradas realizadas na campanha dos requerentes e não informadas na prestação de contas, notadamente as relativas a um suposto comício, "[...] foram de pequena monta - inferior a R$ 1.060,00 - e suportadas integralmente pelos simpatizantes da campanha" (fl. 16);
f) o Tribunal Regional não indicou a existência de prova segura de que tais despesas tenham superado o montante de R$ 1.060 (mil e sessenta reais), "[...] mormente se considerarmos a simplicidade da campanha, comum às campanhas eleitorais de municípios de pequeno porte do interior" (fl. 16);
g) "deixou o acórdão recorrido de consignar que não foi trazido aos autos qualquer elemento que possa balizar a análise da gravidade dos vícios apontados no contexto da eleição, uma vez que o único elemento trazido aos autos é a diferença de votos, o que, nos termos da pacífica jurisprudência desta Corte não pode, por si só, indicar a gravidade para configuração do abuso de poder" (fl. 17);
h) houve afronta ao art. 27 da Lei nº 9.504/97, pois as despesas não foram declaradas, em razão do permissivo contido no dispositivo, que possibilita a realização de gastos por eleitor da quantia de até um mil Ufir, em apoio a candidato;
i) não há nos autos qualquer prova que demonstre ter sido ultrapassado o limite previsto no mencionado dispositivo legal;
j) não existe a gravidade necessária da conduta para a imposição da pena de cassação;
k) "despesas com deslocamento do próprio candidato e realização de comícios são perfeitamente legais, não havendo que se falar em ilicitude de gastos" (fl. 22);
l) o veículo que serviu de transporte para o candidato é de propriedade do ora requerente e o caminhão usado no comício foi emprestado por um eleitor, o que afasta a ilicitude dos gastos, configurando-se apenas falhas formais;
m) "não se discute a necessidade da abertura de conta corrente exclusiva para trânsito dos recursos de campanha - tanto que foi efetivamente aberta conta bancária para este fim - apenas se está a afirmar que houve um erro formal quando da abertura da conta bancária, circunstância que tem sido analisada por este C. TSE com o necessário temperamento (v.g. Respe 227525 - Ministro Marco Aurélio)" (fl. 25);
n) "[...] em relação à abertura de conta bancária a base fático-probatória da presente demanda é absolutamente idêntica àquela constante da prestação de contas, que foi aprovada com ressalvas" (fl. 25);
o) apesar de o relator partir da presunção de que gastos de campanha para prefeito não pode limitar-se ao montante de R$ 14.000,00 (quatorze mil reais), o fato é que tal valor não é dissociado da realidade de municípios de pequeno porte, como ocorre no caso dos autos.
Defendem o fumus boni juris, diante das razões expostas, e alegam que o periculum in mora está evidente por constituir dano irreparável a subtração de um mandato popular.
Ressaltam que "[...] o retardo indevido no processamento do feito, inteiramente imputável ao Eg. TRE/PE, acabou por impedir o requerente - ante o teor das Súmulas 634 e 635 STF - de buscar a cautelar perante o Eg. Tribunal Superior Eleitoral, o que, ensejou a sua indevida destituição do cargo neste ínterim" (fl. 32).
Consignam ainda que as novas eleições no município foram marcadas para o próximo dia 6 de abril, o que reforça a necessidade da concessão da liminar.
Requerem a concessão de efeito suspensivo ao agravo e ao recurso especial, até que o apelo seja definitivamente julgado pelo TSE.
É o relatório.
Decido.
Em juízo inicial, entendo pela existência de fumus boni juris.
No caso em exame, a representação foi julgada improcedente pelo juiz eleitoral, e o Tribunal Regional reformou a sentença por maioria de votos, sob o fundamento de que, "comprovada a ocorrência de receitas e despesas que foram utilizadas na campanha dos candidatos e que não foram registradas na prestação de contas apresentada perante o juízo de 1º grau levam à cassação do diploma" (fl. 408).
Da leitura do aresto recorrido, depreende-se, em primeiro exame, que as falhas que ensejaram a cassação dos diplomas consistiram na "utilização de carro pelo candidato, de caminhão palanque, de jingle de campanha, de carro de som, de carros para locomoção de eleitores para eventos políticos, além da presença do locutor de comício conhecido como Tony França e da distribuição em massa de DVDs" (fl. 437).
Também foi considerada a ausência da abertura de conta bancária específica do candidato. Sobre tal ponto, alega-se que, não obstante tenha havido um equívoco na abertura da conta bancária, feita em nome do partido e não do candidato a prefeito, os gastos de campanha dos ora requerentes transitaram exclusivamente na aludida conta, o que afastaria a ilicitude da falha.
Importante consignar que a jurisprudência desta Corte tem firmado o entendimento de que a procedência da representação fundada no art. 30-A da Lei das Eleições deve estar respaldada na existência de ilícitos que tenham relevância jurídica para comprometer a moralidade das eleições, devendo ser aplicado o princípio da proporcionalidade na imposição da grave sanção de cassação de diploma.
Nesse sentido, os seguintes precedentes do TSE: RO nº 1214/AM, DJe de 10.2.2014, AgR-RO nº 505393/AM, DJe de 12.6.2013 e RO nº 874/AM, DJe de 24.6.2013, todos de minha relatoria; AgR-RO nº 274556/RR, DJe de 9.11.2012, rel. Min. Arnaldo Versiani; REspe nº 28448/AM, DJe de 10.5.2012, rel Min. Marco Aurélio.
Da leitura superficial dos autos, constata-se que, de fato, as irregularidades apuradas pelo Tribunal Regional não albergam, à primeira vista, a imposição da grave sanção de cassação de diploma.
Ademais, ainda que a Corte Regional não tenha feito referência aos valores supostamente não declarados, as falhas apontadas - consistentes na ausência de contabilização de gastos relativos à utilização de veículos e de carro de som, à realização de jingle de campanha, da contratação de locutor de comício e da distribuição de DVDs - não demonstram, em princípio, a existência de gravidade apta a ensejar a cassação dos diplomas dos candidatos eleitos com base no art. 30-A da Lei nº 9.504/97.
Além disso, em que pese o Tribunal Regional ter consignado a não abertura de conta bancária específica em nome do candidato, o que, em tese, constitui irregularidade importante para efeito da desaprovação das contas, reputo relevante a assertiva dos requerentes de que tal falha já foi mitigada por esta Corte no julgamento do REspe nº 2275-25/RR, rel. Min. Marcelo Ribeiro, relator para o acórdão Min. Marco Aurélio, no qual se decidiu que, "caso a caso, presente o princípio da razoabilidade, há de apreciar-se a licitude da feitura de despesas sem o acionamento da conta bancária" .
Por tais razões, e ainda considerando que o juiz eleitoral julgou improcedente a ação, o julgamento colegiado não foi unânime e a prestação de contas da campanha dos ora requerentes foi aprovada pelo juízo de primeiro grau, penso ser mais prudente aguardar-se o pronunciamento desta Corte sobre a matéria, antes da execução do aresto regional e, por consequência, da realização de novas eleições no município.
Ante o exposto, defiro a liminar pleiteada para determinar o retorno dos requerentes aos cargos de prefeito e vice-prefeito, até que esta Corte julgue o recurso especial, caso seja provido o agravo.
Comunique-se, com urgência, ao TRE/PE.
Cite-se.
Publique-se.
Brasília/DF, 11 de março de 2014.

Ministro Dias Toffoli, relator

AGORA É OFICIAL: AGENDA DO GOVERNADOR EM GARANHUNS E BOM CONSELHO CONFIRMADA

Está confirmada a agenda do Governador Eduardo Campos (PSB) e  comitiva amanhã, quinta feira (13) aqui no Agreste.

A agenda será iniciada no município de Bom Conselho, a partir das 10 horas da manhã. No município, o chefe do executivo pernambucano participará de inauguração de um açude e após outras pautas, almoçará com o Prefeito Danilo Godoi (PSDB). A partir das 16 horas, já em Garanhuns Eduardo concederá entrevista coletiva. Na sequencia, visitará o setor denominado  Massaranduba e seguirá para o Hospital Dom Moura, onde deve inaugurar as obras previstas, encerrando dessa forma sua agenda na região. 

segunda-feira, 10 de março de 2014

CONFIRMADA ADESÃO DO PPS PERNAMBUCANO À FRENTE POPULAR

Um total de 120 integrantes do PPS, entre eles o vereador garanhuense e membro do Diretório Estadual da legenda, homologou  em reunião na tarde de hoje, o apoio do partido à chapa da Frente Popular, encabeçada por Paulo Câmara (PSB) para disputar o governo do Estado. Dos que votaram, 110 foram a favor de Paulo Câmara, cinco votaram no senador Armando Monteiro Neto (PTB), e cinco  se abstiveram.

Na reunião, realizada no Hotel Mercure, na Ilha do Leite, sob o comando da presidente estadual do PPS, Débora Albuquerque, recebeu a visita dos integrantes da chapa da Frente Popular, à frente o candidato a governador Paulo Câmara(PSB), a vice-governador Raul Henry(PMDB) e ao Senado, Fernando Bezerra Coelho(PSB).

Os pré-candidatos sentaram à Mesa, e discursaram após receberem das mãos do vereador Raul Jungmann  um documento  com diretrizes defendidas pelo PPS, para que sejam incorporadas no programa de governo da Frente Popular.

quinta-feira, 6 de março de 2014

MORRE SÉRGIO GUERRA

Brasília - Após reunião com o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Duarte Nogueira, o presidente do partido, Sérgio Guerra, fala aos jornalistas(José Cruz/Agência Brasil)O deputado federal Sérgio Guerra (PSDB-PE) morreu hoje (6) em São Paulo, onde estava internado no Hospital Sírio-Libanês. Ele morreu vítima de pneumonia decorrente de complicações de um câncer de pulmão. Aos 66 anos, ele deixa quatro filhos. O velório e o enterro ocorrerão no Recife.

Formado em economia, o deputado federal Severino Sérgio Estelita Guerra, ex-presidente nacional do PSDB, entrou formalmente na política em 1981 quando se filiou ao PMDB e se elegeu no ano seguinte deputado estadual por Pernambuco. Criador de gado e de cavalos de raça, Sérgio Guerra nasceu no Recife, em 1947, em uma família de políticos.

Até chegar à presidência do partido tucano, o deputado passou pelo PDT e PSB, legenda pela qual foi secretário estadual do governo de Pernambuco na gestão de Miguel Arraes. Deputado estadual por dois mandatos, entre 1982 e 1988, chegou ao Congresso Nacional em 1989 ocupando uma das cadeiras da bancada pernambucana na Câmara. Em 2002, ele chegou ao Senado, mesmo ano em que o PT elegeu Luiz Inácio Lula da Silva.
Na Casa, ele foi líder do partido e um dos principais críticos do governo do PT. Ele atuou em várias comissões parlamentares de inquérito (CPIs), entre elas, a dos Correios que investigou um esquema de compra de votos na base do governo.

Em 2006, Sérgio Guerra assumiu a campanha do candidato tucano à Presidência Geraldo Alckmin. No ano seguinte, foi eleito presidente nacional do PSDB no lugar do então senador Tasso Jereissati (CE). Em 2009, Sérgio Guerra tentou formalizar um acordo com os pré-candidatos à Presidência da República pelo partido, o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves, e o de São Paulo, José Serra. A proposta não vingou e Serra, candidato do partido, foi derrotado por Dilma Rousseff.

Na mesma eleição, com dificuldades políticas regionais, Guerra deixou o Senado para concorrer a um mandato na Câmara dos Deputados. 
*Colaborou Fernanda Cruz

quarta-feira, 5 de março de 2014

VEREADOR SIVALDO ALBINO PODERÁ SER UM DOS CANDIDATOS DE EDUARDO NO AGRESTE


Sivaldo Albino ao lado de do secretário Aldo Santos em
conversa com Eduardo, durante Carnaval em Pesqueira.
O Carnaval enfim acabou e a quarta-feira chamada por alguns de “ingrata”, chegou.
Paulo Câmara, pré candidato ao Governo do Estado com
Vereador Sivaldo
Mas por algumas imagens colhidas nesse período ‘momesco’ em Pernambuco e mais especificamente no Agreste do Estado, parece que o evento não deixou marca alguma de ingratidão. Para o Vereador garanhuense, eleito pelo PPS, Sivaldo Albino (PPS) por exemplo, um inusitado encontro com o Governador e Presidenciável Eduardo Campos (PSB), gerou comentários bem positivos. Quem estava por perto, naquela ocasião, pôde ouvir de forma clara por parte do dirigente Ps-bista, quando apresentava o vereador ao pré candidato ao Governo do Estado, Paulo Câmara: “Paulo, esse é o vereador Sivaldo Albino de Garanhuns. Será nosso deputado naquela Cidade e muito irá nos ajudar...”.
Fica a dica: Além de nomes como Sandoval Cadengue  e Marcântonio Dourado, ambos filiados ao PSB, a legenda socialista já pensa também nos demais quadros da Frente Popular para enfrentar o candidato de Izaías Régis (PTB), ao Governo do estado, Senador Armando Monteiro nessa região e os seus supostos candidatos à deputado. 

São as voltas que a política dá...

O Vereador Sivaldo Albino é o entrevistado dessa quinta feira no programa "Falando com o Agreste", a partir do meio dia pela Rádio Marano FM (www.radiomaranofm.com.br). 

segunda-feira, 3 de março de 2014

PARA EDUARDO CAMPOS O PAÍS PRECISA SABER O PORQUE DAS OBRAS FEDERAIS PARADAS

Falando para repórteres em suas visitas neste carnaval, o Governador de Pernambuco e presidenciável, Eduardo Campos (PSB) declarou que se faz necessário a realização de um diagnóstico que aponte a situação em que se encontram as obras tocadas pelo Governo Federal em todo o País. De acordo com o gestor, “Tem obra que está parada por projeto mal feito, outras por inconsistência na contratação de sua execução, outras porque empresas faliram pela falta de fluxo adequado nos pagamentos. Elas precisam ser classificadas para que possamos ter como política concluir as obras que estão pela metade”, afirmou Campos.