sexta-feira, 18 de outubro de 2013

ARMANDO MONTEIRO DIZ QUE SE GANHAR GOVERNO DO ESTADO, MANTERÁ PROGRAMA CRIADO POR EDUARDO

181013 - divulgação 2Caso seja eleito governador de Pernambuco em 2014, o senador Armando Monteiro (PTB) manterá inalterado o “Pacto pela Vida”, principal programa de segurança pública do governo Eduardo Campos.
Foi o que ele declarou hoje na Fiepe (Federação das Indústrias de Pernambuco) ao participar do seminário “Política Criminal – os desafios de Pernambuco e do Brasil”.
O evento contou também com a participação do senador Pedro Taques (PDT-MT), futuro candidato a governador do Mato Grosso em aliança com o PSB, e do sociólogo e professor da UFPE, José Luiz Ratton, que ajudou a conceber o programa governamental.
Segundo a assessoria do PTB, o senador fez a seguinte declaração sobre o “Pacto pela Vida”:
I) Isto (o Pacto) não pode ser algo que esteja associado a um período administrativo ou há um ciclo político. Esta institucionalidade do Pacto pela Vida tem que de alguma maneira se transformar, por assim dizer, em algo do Estado, em uma política de Estado.
II) Não há como desmontar isto, nesta institucionalidade, neste desenho. É claro que mudam os atores. É possível fazer mais, com a experiência inclusive que já está aí à disposição, reorientar algumas ações, redefinir algumas prioridades, mas não há como quebrar isto, que corresponde a uma conquista extraordinária de Pernambuco.
III) Então, eu quero dizer que, como agente politico, independente de qualquer circunstância eu tenho esta compreensão. Taques é o relator do projeto do novo Código Penal que está em discussão no Senado.
Também participaram do seminário o presidente da Fiepe, deputado federal Jorge Corte Real (PTB), o pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas da Universidade de São Paulo (USP), Leandro Piquet, o secretário de Segurança Urbana da Prefeitura do Recife, Murilo Cavalcanti e o professor da PUC de Minas Gerais, Luiz Sapori.

COITADO DO SENADOR RENAN CALHEIROS: ESTÁ SEM COMIDA EM CASA!

Essa, foi publicada no Blog do Magno Martins:

Acabou a comida na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A suspensão de uma licitação superfaturada para abastecer a residência oficial com uma quantidade de comida suficiente para alimentar um batalhão, no dia 2 deste mês, vem obrigando Renan, a mulher Verônica Calheiros e os dois filhos a comer fora ou na casa de amigos desde o início da semana. A licitação preparada pelo setor ligado à Diretoria Geral da Casa previa, entre outros itens da boa gastronomia, 25 quilos de camarão vermelho grande, 20 quilos de frutos do mar, 1,7 tonelada de 33 tipos diferentes de carnes, sendo 100 quilos de filé mignon, além do trivial arroz e feijão. Por seis meses, a licitação tinha um custo orçado em R$ 98 mil.
- Renan está almoçando no restaurante do Senado, pagando do próprio bolso. Sua esposa também está comendo fora. A licitação vai ser redimensionada para eliminar itens superfaturados e supérfluos. Também vai haver corte na quantidade de camarão e outros itens. A ideia é cortar mais da metade do custo antes previsto e adequar as quantidades apenas para o presidente e sua esposa. Os servidores não mais farão suas refeições no local, porque recebem ticket alimentação - informou a assessoria de Renan.
No pregão suspenso, a previsão era que a família Renan e convidados pudessem fazer muitos churrascos na residência oficial: 50 quilos de picanha, 54 quilos de linguiça, 50 quilos de carvão, 160 quilos de pão francês, além de 20 quilos de salmão e 55 quilos de queijos variados.(De O Globo)