sexta-feira, 31 de maio de 2013

PSB QUER PERNAMBUCO NOVAMENTE NA PRESIDENCIA DA REPÚBLICA

Por Cláudio Santos

Manhã da segunda-feira 27, Mar Hotel, praia da Boa Viagem, Recife, Pernambuco. Passava das 10 horas quando o governador do Estado, Eduardo Campos, entrou em uma sala de reunião onde cerca de 300 militantes socialistas o esperavam para o 1º Encontro de Vereadores da legenda. O objetivo do evento era frugal. Envolvia a troca de experiências no Legislativo. No entanto, o tom eleitoral tomou conta dos discursos. Adesivos e panfletos exaltando o nome do socialista para presidente da República foram distribuídos e a reunião transformou-se em palanque para Eduardo Campos. Ovacionado com gritos de “Brasil para a frente, Eduardo presidente”, Campos abriu um largo sorriso. “Não tem mais volta, ele será candidato”, afirma o presidente do PSB em São Paulo, deputado Márcio França. Se a candidatura será mesmo oficializada em 2014, o tempo se encarregará de dizer. O primeiro passo, porém, já está dado. 
Segundo levantamento feito por ISTOÉ entre os diretórios estaduais do partido e a executiva nacional, o governador já conquistou o apoio da maioria do PSB. A enquete mostra que os militantes e a direção do partido querem mesmo que Campos seja o candidato do partido à sucessão de Dilma Rousseff. “Não temos nada contra o governo Dilma. Aliás, votamos com ela em 95% dos casos, mas chegou a nossa hora de tentar fazer mais e melhor”, defende França. “O nome de Eduardo está maduro. O momento é agora”, faz coro o deputado federal Júlio Delgado, de Minas Gerais. Dos 35 representantes da executiva nacional do partido, 22 são a favor da candidatura própria (ver quadro). Entre os diretórios estaduais, a vitória a favor da candidatura de Campos ao Planalto em 2014 é ainda mais avassaladora – 85% dos dirigentes são favoráveis ao voo solo. “O nome do governador Eduardo Campos representa algo diferente. Estamos com ele”, entende Severino Araújo, presidente do diretório paranaense.



Além da contabilidade favorável, outro sinal de que todas as arestas já estão aparadas no PSB foi o jantar na terça-feira 28 entre Eduardo Campos e o ex-ministro Ciro Gomes. Crítico da candidatura própria até a semana passada, Gomes já diz que irá apoiar uma eventual postulação do pernambucano caso a maioria do partido decida lançá-lo. “Se meu partido tiver candidato, depois que fizer minhas ponderações, vou acompanhar o partido”, disse o ex-ministro. Ciro Gomes aponta como “incoerência” dos socialistas disputar o Planalto na condição de sigla aliada ao governo. Para resolver a questão, a cúpula do PSB já acertou que entregará os cargos na administração federal em setembro. “A entrega dos cargos nos libera para fazer um discurso mais assertivo”, entende Márcio França.


MATERIAL DE CAMPANHA - Socialistas distribuíram santinhos em favor 
da candidatura de Eduardo Campos  ao Planalto em encontro de vereadores na segunda-feira 27, no Recife

Dado o primeiro passo, que é a conquista do apoio interno, os socialistas trabalharão até o fim do ano para costurar as alianças. Em São Paulo, por exemplo, o PSB deverá se aliar à reeleição do governador Geraldo Alckmin, indicando um vice socialista à chapa. A disputa é estadual, mas no apoio a Alckmin está embutida uma estratégia nacional. O principal objetivo é tentar enfraquecer o palanque em São Paulo de Aécio Neves, pré-candidato à Presidência e, portanto, adversário em potencial de Campos. A 16 meses das eleições, o cenário ainda pode mudar por completo, mas os especialistas eleitorais são unânimes em afirmar que, entre os nomes dos pré-candidatos colocados até agora para a disputa em 2014 – Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) e Marina Silva (Rede) –, só existe espaço para um ou no máximo dois candidatos, já que as previsões também dão como certo que Dilma estará no segundo turno. Nessa lógica, Campos não tem muito a perder. Aos 47 anos, ele, na pior das hipóteses, terá a imagem conhecida nacionalmente. Hoje, o governador pernambucano figura com 6% de intenções de voto nas pesquisas eleitorais, mas só é conhecido por 20% do eleitorado nacional. São nesses índices que ele se apoia para decolar em 2014.



Fotos: Leo Caldas/ Editora Globo; Michele Souza/JC Imagem