.

.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

GUERRA CONTRA A SECA: PREFEITURA DE GARANHUNS DEVE INSTALAR POÇOS NA ZONA RURAL


A equipe da Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Governo Municipal, juntamente com o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), estão em atividade de campo durante esta semana realizando estudos do solo e da vegetação de 16 sítios da zona rural de Garanhuns para identificação de áreas propícias para instalação de poços, que irão melhorar o abastecimento de água dos moradores.
Por meio de uma parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, 10 poços serão construídos no município. O critério utilizado para a escolha dos trechos onde serão perfurados os reservatórios é a característica hidrogeológica da área, que envolve o planejamento, a construção e os meios de utilização da água. “Cada execução de ações como essa precisa ser específica para as condições físicas do terreno. É necessário que o solo tenha um potencial diferenciado para receber a demanda e que as fontes de água sejam próximas”, explica o extensionista rural do IPA, Pedro Henrique de Medeiros.
O mapeamento nesses sítios também tem o objetivo de incentivar o reflorestamento dos campos e das matas ciliares, que é indispensável na formação vegetal encontrada nas margens dos rios, lagos, represas ou nascentes. Atualmente, 38 associações e duas cooperativas são filiadas ao Conselho de Desenvolvimento Rural de Garanhuns. De acordo com o presidente do conselho, Júlio Neves, esse estudo é a esperança por dias melhores. “Esperamos ansiosos por um abastecimento de água bem feito e sem problemas de encanação. Seremos atuantes junto à Secretaria de Agricultura no que for preciso. Vivemos da agricultura e pecuária, mas nunca tivemos uma chance tão boa como essa. A chance de todas as nossas famílias melhorarem sua qualidade de vida e a fonte de renda”, detalhou.
Cerca de 14 mil pessoas da zona rural sofrem com a falta de chuvas. O prejuízo econômico de culturas agrícolas chega aos 80%. “Mesmo diante de uma situação tão alarmante, Garanhuns tem algumas fontes de água que servirão de suporte nas obras dos poços. Devemos terminar as visitas no campo na próxima semana. Depois, vamos passar a demanda para o Governo do Estado, que é responsável pela execução do projeto”, destaca o diretor de Desenvolvimento Rural da Secretaria de Agricultura, Rômulo Fernandes.
SECA - Localizado no Agreste Meridional de Pernambuco, o município de Garanhuns também vem sofrendo com a estiagem que castiga a região Nordeste do país desde o ano passado. Com a diminuição nos índices de chuva, o solo ressecado, sem pasto e a baixa produção no campo, os agricultores que vivem da terra são diretamente prejudicados. Pelas estradas que dão acesso aos sítios e povoados da zona rural, ainda é possível ver animais mortos e os galhos das árvores totalmente secos. De acordo com os dados da Defesa Civil, o número de poços desativados, na zona rural, chega aos 30. A mortandade do rebanho está em torno de 20%, o que representa a morte de 7.200 cabeças de gado. 

Texto/Reportagem: Secom/PMG



NA AUDIÊNCIA PÚBLICA QUE DISCUTE BARRAGEM, NEIDE REINO TEM POSTURA FIRME EM DEFESA DE CAPOEIRAS

Prefeita Neide Reino (PSB) ao lado do Governador Eduardo Campos (PSB) em evento recente.

A decisão da Audiência Pública realizada no Fórum do  município de Capoeiras na tarde dessa quarta feira (27), em relação à polêmica da Barragem do Gurjão, foi um alento para os moradores daquele município e da vizinha Caetés. De acordo com essa decisão, ficou acertado que os moradores de Capoeiras e Caetés estarão sendo  abastecidos com a água da COMPESA, uma vez a cada semana além de ter se mantida a decisão da proibição de retirada d’água por carros pipas naquela  barragem.
Com a decisão, permitiu-se que os moradores do entorno da barragem poderão captar até mil litros/dia. O abastecimento do povoado Maniçoba e da zona rural de São Bento do Uma, município que faz fronteira com Capoeiras, também sofrerá racionamento. 
A Audiência Pública foi convocada na semana passada pelo Juiz de direito da comarca de Capoeiras, Dr. Francisco Tojal Dantas Matos, com o objetivo de apaziguar os ânimos decorrentes dos problemas com a seca na região, que transformaram a barragem do Gurjão em ponto de disputa por água pelos municípios que a circundam. Na oportunidade, a justiça chegou a determinar o recolhimento das bombas d’água pertencentes a particulares e na sequencia, provavelmente em atitude de represália à esse mandado, atearem fogo nas bombas da COMPESA instaladas no local, prejudicando ainda mais o já frágil abastecimento.
A Audiência contou com a presença do referido magistrado, além do Promotor de Justiça Dr. Reus Alexandre, a prefeita de Capoeiras Srª Neide Reino (PSB),  a prefeita de São Bento do Uma, Srª Débora Almeida (PSB), o prefeito de Caetés Sr. Armando Duarte (PTB), o presidente da Câmara de Vereadores de Capoeiras, o presidente do Sindicato Rural, representantes da COMPESA, vereadores e populares que residem nas proximidades daquele manancial  e se beneficiam das águas do Gurjão.
Com a decisão, a COMPESA reinstalou novos equipamentos que substituíram os  danificados na barragem e os quais já entram imediatamente em funcionamento.  De acordo com a Prefeita de Capoeiras, Neide Reino (PSB), “Como representante escolhida pelo povo capoeirense, minha defesa será sempre em benefício dessa população, que hoje sofre de forma muito intensa os danos causados por essa estagem”. Em breve a prefeita Neide Reino fará um relato detalhado das suas primeiras ações à frente do executivo capoeirense,  bem como um relatório dos desmandos administrativos encontrados após sua posse, fato que inviabilizou o início imediato de ações mais efetivas .  
(Texto de Marcelo Jorge com informações do Blog Capoeiras)